segunda-feira, março 10

Campeonato






Aqui na Pó dos livros temos dois clubes. (Não, este não vai ser mais um post sobre futebol.) Temos os do Eça (a Isabel e o Jaime) e os do Camilo (a Débora e o Carlos). Não questionamos nem comparamos a grandeza de cada um, é apenas uma questão de afectos. Jogue connosco neste campeonato, votando no inquérito com este título. Sabemos que apurar vencedores não faz qualquer sentido, mas podemos divertir-nos e ver qual é claque mais barulhenta.

10 comentários:

Nuno R. disse...

Eu sou pelo Camilo, e sou pelo Eça. Mas minto se digo que gosto dos dois da mesma maneira. Amo o Mandarim, mas quem me tira as freiras lacrimosas e os brasileiros peraltas do Camilo, tira-me tudo. É mais português o Camilo do que o Eça. Não que eu seja um nacionalista das letras, mas porque nascer no Douro, viver no Porto e não gostar de Camilo, é como renegar os pais, ou queimar a certidão de nascimento. Excelente blog, a propósito - sou leitor atento.
Cumprimentos

Esferovite disse...

A Pó dos Livros fica em Lisboa, pelo que julgo ser dessa zona a maioria dos seus leitores. E a "comunidade" camoniana situa-se, maioritariamente, a norte do Douro.

Julgo, portanto, que acabei de votar no "perdedor" Camilo.

Esferovite disse...

Camilo toca mais os leitores do Norte, parece-me.

Nuno R. disse...

Pois, talvez que, como a divisão eleitoral espanhola o Portugal de eça seja um Portugal sulista, com pouca paciência para os aristocratismos nortenhos do Camilo, em detrimento da visão monocular e pró-liberal do Eça. Mas que o cosmopolitismo ou pseudo-cosmopolitismo queirosiano, não deslustre o «provincianismo» do Camilo. Este escreveu umas centenas de páginas a mais do que o outro. Quantidade não é qualidade, mas é esforço. E o esforço devia ser premiado!

CristinaGS disse...

Para mim, o Eça é imperdível. Li os Maias para aí 4x, quando era de leitura obrigatória no secundário e depois por puro prazer de ler aquela prosa suculenta, mordaz, irónica, às vezes desesperada por um país sem futuro. Eça, claro!

Leonor disse...

Para mim é Eça (já votei)

mas nunca tinha pensado nesta divisão norte / sul aqui dos comentários de cima...

Joana disse...

Se o Camilo é da província, o Eça e provinciano. Se o Eça delicada e saborosamente arrasa com tudo, o Camilo arrasa o Eça no Eusébio Macário.

Mas o Camilo nunca conseguiu escrever um magistral As Cidades e as Serras, resumo e superação da própria obra queirosiana. Por isso, o meu voto vai para o Eça.

Gosto muito de vos ler.

José Pedro Pessoa e Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Pedro Pessoa e Costa disse...

Precisamos realmente deste campeonato - que, ao que parece, por alguns comentários, corre o risco de se transfoirmar numa espécie de jogo entre o FCPorto e os clubes lisboetas? Camilo e Eça serão comparáveis? A sua escrita é diferente, têm objectivos diferentes. Ninguém teve mais inventividade do que Camilo (Aquilino, talvez, mas noutra época, menos propícia aos grandes romances, que são do século XIX) no puro plano da expressão literária: da palavra, da frase! Mas Eça dispõe da arma enorme da ironia e isso, de certa maneira, torna-o único na nossa literatura. Enfim, o melhor será ler Eusébio Macário, etc.; e Os Maias, etc., várias, várias vezes...

Hugo Sousa disse...

Parece que o mister Eça vai ganhar com uma vantagem expressiva...