sexta-feira, maio 9

Semana do Livro nas livrarias em alternativa, ou não, à Feira do Livro.

Tenho tido algumas reacções ao que escrevi neste post. Escrevi-o mais como provocação do que qualquer outra coisa. No entanto, é uma ideia de que já tenho falado com alguns colegas. Não sei sequer se é uma ideia original, mas em linhas muito gerais, e tanto quanto um post me permite explicar, consiste no seguinte:

A Semana do Livro realizar-se-ia nas livrarias de todo o país, que numa determinada data efectuariam descontos em todos os seus livros. Ao mesmo tempo, cada livraria, individualmente ou em conjunto, chamaria a si personalidades da cultura portuguesa, a fim de se realizarem eventos como debates, conferências, lançamentos, sessões de leitura, sessões de autógrafos e até eventos de outra natureza, como pequenos concertos de rua, etc. O objectivo seria promover o livro e a leitura e, como é evidente, vender mais livros.
Uma das formas possíveis de organizar uma festa do livro como esta seria cada conjunto de livrarias, de cada cidade ou vila, com uma pequena contribuição monetária, criar uma comissão com a responsabilidade de recolher a lista de participantes e eventos, fazer a comunicação e divulgação e pedir as autorizações necessárias às entidades competentes. Ou então, mais simples ainda, seria a própria APEL chamar a si esta responsabilidade.

Esta ideia não põe de forma nenhuma em causa a realização das tradicionais feiras do livro, que a meu ver faz todo sentido continuarem a realizar-se. Com barraquinhas ou com stands mais sofisticados. Na minha opinião e no que respeita à Feira do Livro de Lisboa, gosto mais como ela sempre foi desde que me lembro. Alterar o formato da Feira do Livro seria como alterarem o meu gelado de infância preferido: o Perna de Pau. E em vez de o Pirata ter a tradicional perna de pau, colocarem-lhe uma prótese. Claro seria bom para o Pirata, mas de certeza absoluta não teria o mesmo sabor.
---
Jaime Bulhosa

Um comentário:

lucky disse...

Olá Jaime,
tenho uma livraria em Bilbao, e pertenço a um colectivo de livrarias independentes criado recentemente nesta cidade (www.cliblik.org) para, entre outros objectivos, procurar alternativas credíveis a uma feira do livro local que nos parece antiquada, "best-sellerizada", e que não contribui em absoluto para a promoção da leitura. Graças ao apoio do governo basco e à estupenda resposta por parte de uma série de editoras independentes, conseguimos inaugurar esta semana as jornadas do livro independente , cujo programa se pode consultar na web www.cliblik.org. Esperamos que sejam as primeiras de muitas. Optámos por um modelo misto, em que encontros entre editores se intercalam com apresentações de livros e projectos editoriais por parte de autores e editores no mesmo espaço aberto aberto ao público onde se realiza uma feira com livros das editoras participantes gerido colectivamente por cliblik.
Como livrarias independentes, acreditamos que o modelo actual de feira só favorece os grandes grupos e que é necessário procurar outros modelos para reinvidicar o nosso papel como agentes culturais e dignificar o trabalho dos editores vocacionais. Isto não quer dizer que nos demitamos da feira do livro da nossa cidade, em que continuamos a participar mais por militância - porque acreditamos que é importante que pelo menos um par de stands tenham uma oferta diferenciada - que por retorno económico...

Para qualquer consulta, estou à sua disposição.

Atentamente,

Teresa Freire
colectivo@cliblik.org