sexta-feira, dezembro 12

Hoje não sou livreiro!

Não fica bem dizer mal de colegas, mas hoje eu não sou livreiro, sou vendedor, comerciante ou para parecer mais pomposo, consultor de leituras, empresário do livro, sei lá, tudo menos livreiro! Pergunto: qual foi a necessidade de inaugurar a nova livraria Buchholz nestas condições? É algum tipo de marketing novo? Toda a publicidade é boa, até a má? Ou há alguma coisa por detrás disto que eu não estou a atingir? Tenho esperança, pelo menos o espaço tem potencialidades.
---
Jaime Bulhosa

Um comentário:

Luisa LIma B. (Tomar) disse...

Pois, e o chato é que nem podemos contar com o RAP e o Mexia para gozarem com a situação no Governo Sombra... Afinal de contas nao se goza com o nosso advogado e o nosso patrão... Maçada