quarta-feira, dezembro 3

"Schadenfreude freudiana" de Pacheco Pereira

«Anda pelos blogues uma variante de schadenfreude freudiana sobre o encerramento da Byblos.»

Esta é uma frase retirada do blogue de José Pacheco Pereira. Também andei a ler nos blogues as diversas opiniões sobre o encerramento da maior livraria do país, e eu próprio manifestei uma opinião. Espanta-me a forma como Pacheco Pereira diz, sem referir nomes: «Vejo o fim da Byblos sem qualquer espécie do “é bem feito” com que alguns se comprazem.» Di-lo com uma sobranceria moral desnecessária. Para ser franco, entre as opiniões que li não detectei qualquer variante de schadenfreude freudiana. Pareceu-me quase unânime o sentimento de pesar perante o encerramento de mais uma livraria. O que não significa que não se possa criticar e apontar erros, como aliás o próprio Pacheco Pereira faz. Não podemos esquecer que uma decisão empresarial como a que foi tomada pela administração da Byblos tem sempre consequências para as pessoas que no projecto se envolveram, directa e indirectamente. E isso não deve ser negligenciado.
--
Jaime Bulhosa

Um comentário:

{anita} disse...

Fui duas vezes à Biblos. A primeira por curiosidade. Não achei que o espaço fosse acolhedor nem que tornasse os livros "apetitosos". Voltei lá para comprar um livro que teria facilmente encontrado noutro sítio mas que afinal naquela imensidão de espaço não existia! Aliás, não existia nada desse autor... A Biblos foi para mim uma decepção. De qualquer forma, cada vez vou gostando mais de comprar livros em espaços pequenos e pessoais.