terça-feira, fevereiro 17

"O mundo é a rua da tua infância"*

Olhou as montras distraidamente, depois interessou-se, demorou-se à porta, a interrogar o interior, curioso. Passado um momento, fez menção de partir mas de repente voltou a olhar e entrou com um ar satisfeito: “Têm um café lá ao fundo!” Sentou-se a uma mesa, pediu um café e perguntou se tínhamos livros em francês. Em frases curtas o sotaque era quase imperceptível. Sentado à mesa, a olhar a livraria, parecia meio sonhador, meio divertido. Entretanto, pegou no telemóvel e falou animadamente. À saída contou-nos que quando era criança, na Argélia, costumava passar os dias numa livraria parecida com a nossa, “assim comprida e estreita, com móveis de madeira escura e um café ao fundo, entrava lá e parecia-me um mundo enorme e fascinante, ficava o dia todo, já ajudava o dono da livraria, fazia recados... até telefonei ao meu irmão, que está em França, para lhe dizer que estava numa livraria que era tal e qual a livraria da nossa infância”
--
* Título do post é o subtítulo do livro "O Mundo" de Juan José Millás, Planeta
--
Isabel Nogueira

2 comentários:

jj disse...

Uma livraria poder ser um local onde nos deixamos ficar a saborear a vida - seja a ler, a tomar café, a tomar café e a ler, a pensar no passado, no futuro, ou na infância que não tem tempo -, é algo que me agrada bastante, digo eu que passo a vida aqui

http://www.centesima.com/.

Vocês devem ser parecidos, não?

Jinhos.

fallorca disse...

A Livraria é a continuação da Casa