quarta-feira, abril 15

Ler um mau livro

«A vida é demasiado curta para se ler maus livros». Eis o que diz muita gente que faz da qualidade um fetiche. Só se deve ler bons livros, ver bons filmes, ouvir boa música ou falar apenas com gente inteligente, e tudo o resto é pura perda de tempo, blá, blá, blá... No entanto, ler maus livros é uma inevitabilidade. É como ter tido uma péssima relação amorosa: faz parte da aprendizagem da vida e permite-nos distinguir o que é bom do que é mau. Mas, tal como nas relações amorosas, não sei porquê, também no caso dos maus livros temos tendência para reincidir.

Nota: Post de um livreiro que acabou de ler um mau livro.

Jaime Bulhosa

6 comentários:

Maria dos Açores® disse...

O pior livro que li até hoje foi "O homem que amava as cerejeiras". Foi há alguns anos e ainda hoje me rio de tão tolo que era!!

stiletto disse...

E tal como no amor, os maus livros ajudam-nos a apreciar melhor os bons livros por isso não é tempo perdido, é tempo de aprendizagem.

reimão disse...

Esta coisa dos maus livros faz-me lembrar sempre uma crónica do MEC que dizia "que quando não se tem um bom bife do lombo, come-se outra coisa, quando não se tem um bom livro lê-se (e passo a expressão) uma merda qualquer"
A verdade é que a cultura da leitura continua ainda muito afastada dos portugueses :(

le monde de zuza disse...

e que mau livro foi esse que leu ?

alice disse...

"Os maus livros" dava um excelente título para um livro. Cumprimentos.

Marta disse...

Eu gostava de lhe "roubar" este post! E vou fazê-lo!
Se entender que é um abuso da minha parte, por favor, reclame.

Obrigada