quarta-feira, maio 13

O clique




Como quase todos os rapazes, só muito tarde descobri a leitura. Apesar de uma casa cheia de livros e de um pai que não se cansava de nos tentar incutir o prazer da leitura. Essa descoberta só se deu por volta dos treze, catorze anos - foi necessário ter ficado doente e acamado, juntamente com a minha irmã, no mesmo quarto, para não pegar a hepatite-A aos outros. A minha irmã, sete anos mais velha do que eu, é, e sempre foi, uma leitora compulsiva. Na altura (não sei se ainda é assim), o tratamento para a hepatite-A era repouso absoluto, durante pelo menos um mês e meio. Como nos anos setenta a televisão só começava na parte da tarde, logo a seguir à telescola, não nos restava muito com que nos entretermos se não ler. Eu, como já disse, não gostava de ler - era burrinho, burrinho. Imaginem agora um puto preso a uma cama sem se poder mexer. Uma autêntica tortura. Felizmente, minha irmã teve a ideia de me ler em voz alta um livro chamado, na edição da altura, Canino Branco - A Voz dos Deuses.
Escrito por Jack London e agora editado pela Relógio D’Água com o título Presa Branca, é um livro que não conta apenas a história de um cão-lobo selvagem: mostra-nos como as mudanças dramáticas do ambiente social e natural podem modificar o nosso comportamento individual de forma a agirmos de maneira civilizada ou completamente selvagem. Este foi o livro que me fez descobrir o prazer da leitura, fez o clique na minha cabeça. Lembro-me de o ter tirado da mão de minha irmã logo que ela acabou de ler este excerto do primeiro capítulo:

«Passou uma hora, e depois uma segunda hora. A luz pálida do dia breve e sem sol começava a toldar-se, quando um ténue grito ao longe subiu no ar quieto. Aumentou com uma intensidade rápida, até atingir uma nota mais aguda, vibrante e tensa, para depois se extinguir lentamente. Podia ser uma alma penada gemendo, mas parecia animado por uma certa ferocidade triste e uma avidez devoradora. O homem da frente moveu a cabeça até os seus olhos encontrarem os olhos do homem de trás. E então, por cima da caixa estreita e oblonga, manearam a cabeça um para o outro.
Um segundo grito subiu no ar, trespassando o silêncio como uma agulha acerada. Os dois homens localizaram a origem do som. Vinha das suas costas, algures da extensão de neve que acabavam de atravessar. Um terceiro grito de resposta veio também de trás, à esquerda do segundo.

- Vêm atrás de nós, Bill.»

Gostaria que este livro pudesse fazer outros cliques na cabeça de outros miúdos. Mas se não for este que seja outro qualquer. Estou sempre a tentar impingir livros aos meus filhos, espero acertar com o Jack London.


Nota: Obrigado, Aninhas, obrigado, Jack London.




Editor: Relógio D'água
Tradução: Miguel Serras Pereira
Ano de edição: 2009
ISBN: 9789896410698
Preço: 14,00 €

2 comentários:

jorge disse...

olá , eu nao sou falnate de portugues mesmo, sou falante de espanhol, estive revisando seu Blog, achei interesante, eu gostria de saber si vc tem os cuadrinhos completos de este livro de jack london

eu gosto muito de esta obra

JORGE

Pó dos Livros disse...

Jorge,

Não, infelizmente não tenho nenhum exemplar para venda.

Obrigado

Jaime