sábado, maio 23

Uma Coisa Atrás de Outra

1.Uma palavra sucede-se a outra.

(...)

5.
Assim que Gabriel se decide a respeito dela, a sua concentração vai ao ar. Telefona-lhe. Envia-lhe cartões com flores. A situação no emprego deteriora-se. Telefona-lhe mais, envia-lhe mais flores.
- Está bem - diz ela.
Depois de fazerem amor pela primeira vez, ele repara que um dos dentes dela não está direito. Não será a última coisa em que há-de reparar.

(...)

7.
Primeiro uma palavra, depois outra. Outra, e outra. Outra folha que cai. Cai a chuva, batendo na janela com o som de quem respira. Respira comigo a escuridão enquanto nos abraçamos um ao outro. Outro temporal sacudirá a chuva, outras folhas tombarão, outras palavras cairão de nós e cá voltaremos, vezes sem conta, na esperança de encontrar precisamente aquilo que os nossos corpos esperam que digamos. Digamos outra coisa por agora. Agora diz aquilo que te vier à cabeça primeiro.

in Pequenos Mistérios, Bruce Holland Rogers, Livros de Areia, 2007



38 Miniaturas
---
Pequeníssimo conto (quase bíblico)
No princípio era o Verbo. Ou outra coisa qualquer. Deus já não se lembra.
---
(...)
---
À la carte
Foi sincero: o que ele desejava, para usar a expressão da empregada de mesa, nunca constaria da ementa.
---
(...)
---
Honestidade
Ao fim da manhã, visitou o amigo no hospital e assinou-lhe o gesso (mesmo por baixo da frase: «Fui eu que te empurrei»).
--
in Efeito Borboleta e Outras Histórias, José Mario Silva, Oficina do Livro, 2008
--
Publicado por Isabel Nogueira

Nenhum comentário: