sexta-feira, outubro 16

Entrevistas da Paris Review


Em meados dos anos cinquenta, um grupo de jovens intelectuais americanos criou uma revista chamada The paris Review. Os seus autores dificilmente terão tido a percepção de que estavam a fazer nascer uma abordagem nova à literatura e à arte da escrita e de que, por outro lado, se constituiria a partir dali o mais extraordinário arquivo do fascínio que uma entrevista literária pode alcançar.
Entre a entrevista a E.M. Foster, a primeira deste volume, e a entrevista a Jack Kerouac, a última, decorrem quinze anos. O tempo que corresponde a uma mudança social drástica que a literatura soube espelhar. E que estas peças também revelam por inteiro: do aprumo formal de Foster à conversa com anfetaminas em casa de Kerouac.
Sem a Paris Review, teríamos as mesmas obras de Faulkner, Hemingway ou Borges – para citar apenas três dos dez autores que estão neste livro – mas não teríamos a mesma imagem que temos hoje de alguns dos escritores decisivos para a arte literária no século xx.

E.M. Foster
Graham Greene
William Faulkner
Trumam Capote
Ernest Hemingway
Lawrence Durrell
Boris Pasternak
Saul Bellow
Jorge Luis Borges
Jack Kerouac

Edição: tinta-da-china
Selecção e Tradução: Carlos Vaz Marques
N.º de Pág. 343
Isbn:9789896710149
pvp:19.90€

4 comentários:

josé luís disse...

... ansioso por ler (sobretudo as de Truman, Ernest e Jorge) ...

Sara disse...

parece muito interessante... é parecido com o "100 New Yorkers of the 1970s, by Max Millard", onde Millard compilou perfiles feitos a 100 nova-iorquinos na década de 70?

fallorca disse...

Vem a calhar como ginjas, ou frutos secos para o Outono ;)

jaa disse...

As entrevistas da Paris Review são normalmente excelentes. Ainda estou deliciado com a do último número (a James Ellroy). Sem pretender dizer que não vale a pena comprar o livro (vale com certeza), várias das incluídas nesta recolha estão disponíveis no site da revista.