terça-feira, outubro 20

O Mar em Casablanca

O novo romance de Francisco José Viegas, vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela da APE, 2005, com a obra Longe de Manaus. O que une um cadáver encontrado nos bosques que rodeiam o belo Palace do Vidago e um homicídio no cenário deslumbrante do Douro? O que une ambos os crimes às recordações tumultuosas dos acontecimentos de Maio de 1977 em Angola? Jaime Ramos, o detective dos anteriores romances de Francisco José Viegas, regressa para uma nova investigação onde reencontra a sua própria biografia, as recordações do seu passado na guerra colonial - e uma personagem que o persegue como uma sombra, um português repartido por todos os continentes e cuja identidade se mistura com o da memória portuguesa do último século. História de uma melancolia e de uma perdição, O Mar em Casablanca retoma o modelo das histórias policiais para nos inquietar com uma das personagens mais emblemáticas do romance português de hoje.

Páginas: 240
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04287-3
Colecção: MARCA D'ÁGUA
Pvp: 15.50€

4 comentários:

stiletto disse...

Pelo resumo, parece-me bem interessante...

Rui Pedro Lérias disse...

Ah, o caciquismo à boa moda antiga...

Não houve blog do centrão literário que não mencionasse o livro do 'amigo': os sempre 'imparciais' booktailors; o 'crítico' José Mário Silva, que antes de escrever a crítica andou de férias com o autor do Porto a Marrocos; etc. O centrão está aí mesmo ao lado, na barra lateral. É ir a todos esses blogs e contar quais é que não falaram no livro.

Mas vá lá, pelo menos aqui tiveram o bom senso de não publicar a propaganda que o livro esgotou em 24 horas, como foi o caso dos blogs anteriores. Para um livreiro - ciente dos trâmites do devolve ao fim de 30 dias - seria de facto excessivo publicar tal mentira. Mas o mesmo pejo não foi mostrado por muitos outros.

Mas percebo o dilema. Não referir o livro do Viegas, esse que publica a Ler, que se mexe na Bertrand, essa essencial distribuidora, que já agraciou a Pó dos Livros com lançamentos de livros, etc, etc, é complicado.

E nem há nada de ilegal, nem nada que se pareça. Nem pouco ético. Estamos a falar de negócios, cada um faz o que pode pelo seu.

Mas é algo que me deixa incomodado, este 'acordo' de cavalheiros, esta 'unânimidade' de quem mexe com peso no mercado livreiro.

Até porque o tempo não é infinito, nem as oportunidades. Ao se publicar uma artigo sobre um livro, teve que se excluir outro. Coitados dos outros. Ou se mexem bem, ou no luck.

Pó dos Livros disse...

Caro Rui Pedro Lérias,

Dá-me a sensação que você descobriu a verdade de La Palisse.;)

Jaime Bulhosa

Anônimo disse...

Sinceramente li o livro e não gostei. Não é que esteja mal escrito ou a história não seja apelativa mas não é daquele tipo de livros "colante" que só se pára na última página. De qualquer maneira não há nada que ultrapasse os serões a ler Jane Austen e Emily Bronte. Clássicos são clássicos.