terça-feira, outubro 27

A primeira causa

Convidei um russo meu amigo, de seu nome Arkady Averchenko, para almoçar comigo. Averchenko é um homem de riso claro e gosta de contar histórias que não trazem a marca incisiva da revolta, como é comum nos compatriotas soviéticos seus contemporâneos. Não perde tempo com exórdios nem preâmbulos e vai direito a um conto que é passado muito antes da queda do Muro.

-Podes dar-me os parabéns – disse-me um jovem meu amigo, com um sorriso feliz a inundar-lhe o semblante rechonchudo – acabo de obter o diploma de advogado.
- Deveras?
- Palavra de honra!
Ficou sério.
-Não se trata de um gracejo? – perguntei-lhe.
A seriedade dele acentuou-se.
-Meu caro – respondeu num tom doutoral - os homens que, como eu, formam a guarda de honra da lei não gracejam. Os defensores do oprimido, os arautos das grandes concepções jurídicas os sacerdotes do templo da justiça, não têm o direito de gracejar.
E após mirar-me uns instantes em silêncio, sem dúvida para ver o efeito em mim produzido por tão graves palavras, acrescentou:
- Necessitas dos serviços de um advogado?
Ia a dizer que não; mas, de súbito, preguei uma palmada na testa.
- Olha, creio que sim! Nós os directores dos jornais, somos com frequência alvo de perseguições… julgar-me-ão, na próxima semana, por causa de uma notícia sobre a violência cometida por um oficial da Polícia.
- Que fez o oficial da Polícia?
Deu com a espada num judeu.
- Não compreendo; se foi o oficial quem agrediu o judeu, por que é que és tu quem vai ser julgado?
Porque é proibido publicar notícias desse género, que segundo parece, rebaixam o prestígio das autoridades. Pelo visto, a espadeirada foi confidencial e não se destinava, de forma nenhuma, à publicidade.
- Bem. Encarrego-me do assunto, embora seja difícil, muito difícil.
-Não contesto. Vais já dizer-me que honorários…
- Os que cobram os outros advogados.
-Agradecer-te-ei que sejas mais explicito.
- Os dez por cento, homem!
- De modo que se me condenarem em três meses de prisão, estarás nove dias metido no calabouço em vez da minha pessoa?... Estou disposto, nesse caso, a atribuir-te cinquenta por cento.
O novo jurisconsulto perguntou, um pouco desconcertado:
- Não reclamarás uma indemnização pecuniária?
- A quem? Ao tribunal? Ao oficial da Polícia? Ao judeu, que, por se ter deixado agredir, foi até certo ponto, o causador do meu processo?
O jovem advogado acabou por se desconcertar de todo:
- Quem me pagará então? Deves compreender que não vou trabalhar de graça. O diploma custou-me os olhos da cara.
- Trata-se de um processo político…
- Nos processos políticos o advogado de defesa não cobra nada?
- Quando é um advogado que se preza, não.
- Ah, sim? Pois bem, não cobrarei um rublo sequer.
Sacrificar-me-ei nas aras da Liberdade!
-Obrigado! Venham de lá esses ossos!

- Desculpe, já viu a lista?
- Perdão, estava distraído. Sim, queria o prato do dia e uma garrafa de água, por favor.
Aproveito aqui a interrupção da história para dizer que Arkady Averchenko não é propriamente meu amigo. Mas acontece que eu gosto de almoçar acompanhado e escolhi-o a ele, quase aleatoriamente, para me fazer companhia durante a refeição. Contudo, as pessoas com quem eu almoço têm para vocês muito pouco interesse quando comparadas com aquilo que Arkady Averchenko tem para contar. Vou procurar não interrompê-lo mais e deixá-lo retomar a narração.

O mancebo expôs-me o seu sistema de defesa.
-Declararás – disse-me ele – que a notícia não foi publicada.
- O quê?! Pois se o número em que saiu a notícia se encontra em poder dos juízes!
- Ah, sim? Que imprudência, a tua!... Então, o melhor será declares que o periódico não é teu.
- Mas se o meu nome figura por baixo do título e à direita da palavra «director»!
- Declara que não sabias isso.
- Não, não pode ser! Ninguém ignora em Petersburgo que sou eu o director do jornal.
- Mas o tribunal não irá convocar, para prestar declarações, Petersburgo inteiro… Acresce que podes dizer que a notícia foi publicada na tua ausência.
- Não me serviria de nada a mentira; o director do periódico é responsável por tudo quanto nele se publica.
- Ah, sim?... Com mil diabos!... E por que publicaste tu essa estúpida notícia?
- Homem!...
-Que necessidade tinhas tu de imiscuir-te num assunto puramente particular entre um oficial da Polícia e um judeu? Vocês, jornalistas, metem o nariz em tudo!
Baixei os olhos, confuso, arrependido da minha leviandade, Ao ver esboçado no meu semblante o remorso, o jovem apressou-se a mudar de tom.
- Enfim, não sou chamado a acusar-te; isso farão os juízes. Sou o teu defensor. E sairás absolvido; que dúvida há?

Ao entrar na sala do tribunal o meu defensor pôs-se tão pálido que, amparando-o, tive de dizer-lhe ao ouvido, receoso de um desmaio:
- Coragem, amigo!
- É assombroso! – murmurou ele, tentando dissimular a perturbação. – A sala está quase vazia. E trata-se de um sensacional processo político!
Efectivamente, apenas se viam nas bancadas destinadas ao público dois estudantes que, sem dúvida, haviam lido na imprensa a notícia do meu julgamento e ali acudiam para me verem condenar. Ou – quem sabe lá? – talvez estivessem resolvidos a executar algum acto heróico para me salvarem.
A expressão deles era extremamente enérgica e lia-se-lhes nos olhos o ódio feroz ao nosso regime político e um amor sem limites à liberdade. Talvez o seu propósito fosse arrebatarem-me da sala, se o veredicto fosse condenatório, e fugirem comigo para as campinas mexicanas, por eles destinadas a teatro de terríveis façanhas minhas.
Ouvi, mal entendendo, a leitura do libelo. A minha atenção absorvia-se quase inteiramente no meu pobre advogado, naquele momento semelhante ao protagonista da obra de Vítor Hugo, «O Último dia de um Condenado à morte».
- Coragem! – repeti-lhe.
- Tem a palavra o advogado de defesa – proferiu com solene entoação o presidente, ao terminar a leitura do libelo. O meu advogado, como se aquilo não lhe interessasse nem pouco nem muito, continuou a folhear na sua papelada.
- O advogado de defesa tem a palavra.
- Começa o discurso! – soprei eu, pregando ao mesmo tempo um muro na cadeira do jovem causídico.
- Quê! Ah, sim! É para já!
E levantou-se. Cambaleava. Este mancebo, pensei, vai despenhar-se em cima de mim.
- Rogo aos senhores juízes – balbuciou – que desviem a sua vista do processo.
-Para quê? – perguntou, espantado, o presidente.
- Para citar testemunhas.
- Com que objectivo?
- Para provar que, quando se publicou a notícia constante dos autos, o condenado…
- O acusado – rectificou o presidente. – ainda não o condenámos.
- Foi um «lapsus», senhor presidente. Para demonstrar que, quando se publicou a notícia dos autos, o condenado, digo o acusado, estava fora.
- Não importa. O director é responsável por tudo quanto sai no periódico.
- Ah! Sim, já me tinha esquecido! Não abstante…
Agarrei nervosamente, pela fralda, a toga do advogado e puxei com todas as minhas forças.
- Não insistas!
O advogado voltou-se para mim. A sua palidez aumentava. As suas mão trémulas, apoiavam-se na mesa.
- Que não insista? Bom… Senhores juízes, senhores jurados…
Novo estenderete.
- Jurados, não. Aqui não há jurados!
- Não importa… devia havê-los, em representação da opinião pública…
Soou a campainha presidencial.
- Peço ao advogado de defesa que se abstenha de manifestações políticas.
- Bem, bem, senhor presidente… O calor da improvisação…
Houve largas pausas. O orador já não estava pálido; estava lívido. De súbito com a brusca resolução do jogador desesperado que arrisca numa carta todo o dinheiro que lhe resta, gritou:
- Senhores juízes, tenho a honra de declarar que no suposto delito do meu constituinte concorrem circunstâncias excepcionais.
Expectativa geral. «Que excepcionais circunstâncias serão?», pensei.
- Exponha-as V. S.ª…
- Vou já fazê-lo, senhor presidente.

- Já terminou? Deseja uma sobremesa e um café, como de costume?
- Sim, bolo de bolacha e o café, se fizer favor.

Faço aqui mais um interregno, para deixar que o advogado, eu próprio e você, leitor, respiremos. É que por esta altura já devem estar tão ansiosos quanto eu para saber como é que esta história vai terminar. Não é à toa que chamam ao meu amigo Arkady Averchenko o «Mark Twain eslavo». Passemos então a palavra ao advogado de defesa.

- Senhores juízes: o meu constituinte está inocente. E, conheço-o a fundo, incapaz de delinquir. O seu moral é elevadíssimo.

O jovem advogado emborcou à pressa um copo de água.
- Palavra de honra, senhores juízes! O meu constituinte, testemunha ocular da agressão do oficial da Polícia…
- Eu?! – prostestei em voz baixa. – Não prossigas por esse caminho!
- Não? Bem… testemunha ocular da agressão do oficial não digo que fosse; mas, senhores juízes, a vida dos nossos jornalistas é um verdadeiro calvário de privações e misérias. Desabam sobre eles multas, confiscações, denúncias… E, com grande frequência, carecem, ah! Senhores! Até de um pedaço de pão para meter na boca! O meu constituinte, jornalista devotado, jornalista daqueles que põem todo o seu entusiasmo no exercício da profissão, achando-se, senhores, numa situação económica desesperada, recebe a visita de um judeu que lhe conta que um oficial da Polícia acaba de o agredir e lhe oferece soma de dinheiro para ele publicar a notícia no jornal. A tentação, senhores juízes era demasiadamente forte, e o meu constituinte…
- Senhor advogado! – interrompeu, cheio de assombro, o presidente.
- Deixe-me V. S.ª continuar! – gritou o meu defensor, num inconcebível arranque de audácia. – O meu constituinte escreveu a notícia para ganhar o pão. Pode isto ser um delito? Declaro, com a mão sobre o coração, que não é. Turgueniev, Tolstoi, Dostoievski escrevem também para ganhar o pão e ninguém os processa. A justiça, senhores juízes deve ser igual para todos. Exijo que Tolstoi, Turguniev, Dostoieveski sejam trazidos perante este tribunal e julgados juntamente com o meu constituinte.

Tossiu, bebeu outro copo de água e, levando a mão ao lado esquerdo do peito, prosseguiu:
- Senhores juízes: juro-lhes que o meu constituinte tem consciência tão límpida como a neve que branqueia os altos cumes dos Alpes. É, simplesmente, uma vítima da carestia de vida, da miséria, da fome. O meu constituinte, senhores juízes, é, acima de tudo, uma grande esperança da nossa literatura, e se o condenares… mas não, não o condenareis, não vos atrevereis a condená-lo… Quarenta séculos vos contemplam!
- Tem a palavra o acusado – disse o presidente, por cuja face coberta de cãs perpassou um leve e discreto sorriso.

- A conta, por favor.
- Com certeza, só um momento.

O tempo que eu tinha disponível para almoçar está a terminar, mas se me perguntarem agora o que acabei de comer não sou capaz de dizer. É o que acontece quando estamos completamente absorvidos pela conversa de alguém que a cada frase nos surpreende com a sua eloquência. Tudo à nossa volta deixa de existir. Neste caso, não se tratou exactamente de uma conversa, mas sim da leitura de um livro. É bem verdade quando se diz que «nunca se está só quando se lê um livro». Poderá até dizer-se que se está mal acompanhado, mas nunca só. Não desesperem… Já darei a voz a Averchenko, mas peço-vos um pouco mais de paciência. Este conto faz parte de um livro que inclui outros cinco contos extraordinários de Arkady Averchenko e cujo título é Maldita Matemática!. Posso acrescentar que pertence à colecção «Mosaico» de uma editora que já não existe há muito tempo, chamada Edição de Fomento. Aqui, na Pó dos livros, e para quem conhece a loja, costumamos ter alguns na primeira mesa, onde se encontram lado a lado com outras relíquias. Pouco sei da vida e obra de Averchenko – nasceu em 1879 e morreu em 1923. Foi considerado por muitos críticos como o rei do humor russo. Voltemos ao conto.

Ergui-me, pronunciando o seguinte discurso:
- Senhores juízes: Permitam-me algumas palavras em defesa do meu advogado. Acaba de receber o seu diploma. Que sabe ele da vida? Que lhe ensinaram na Universidade? Umas tantas habilidades jurídicas e quatro ou cinco frases retumbantes. Do restante ignora tudo. Com tão científica bagagem, que cabe toda dentro da ponta de um lenço, começa hoje a viver. Não o julguem severamente, senhores juízes! Tenham piedade do pobre moço e não considerem um crime o que só é ignorância e candura. Além de juízes sois cristãos! Invoco os vossos sentimentos cristãos e rogo-lhes que lhe perdoem.
«Tem a vida adiante dele e corrigir-se-á com o tempo. Estou certo, senhores juízes, de que, obedecendo ao impulso dos vossos nobres corações, absolvereis o meu advogado, em nome da verdadeira Justiça, em nome do verdadeiro Direito». O meu discurso impressionou muito os juízes. O meu advogado levou várias vezes o lenço aos olhos. Quando os juízes acabaram de deliberar ocuparam de novo os seus assentos, e o presidente declarou:
- O acusado foi absolvido.
Pouco amigo das coisas ambíguas, apressei-me a perguntar:
- Qual acusado?
- Os dois. O senhor e o seu defensor.
O meu advogado de defesa foi felicitadíssimo. Os dois estudantes pareciam um pouco desapontados; teriam preferido, sem dúvida, que eu fosse vítima das injustiças sociais. Saímos juntos, eu e o meu advogado, do tribunal, e dirigimo-nos logo ao telégrafo, onde o jovem causídico expediu um telegrama que dizia assim:

Querida mamã: acabo de iniciar a minha carreira de advogado defendendo um réu político. Absolveram-me – NICOLAS.
-
Jaime Bulhosa

7 comentários:

Anônimo disse...

Fantástico!!
Tenho que ver se passo a convidar amigos desses para almoçar :)

CBorges

No vazio da onda disse...

Genial!
E agora acrescento, não é justo, isto é uma afronta. Depois de ficarmos com água na boca após a leitura deste conto, é que nos informa que a editora já não existe? Mas o que é isto? Sadismo? Já estou a ressacar e o dealer diz-me que já não há mais?
Bem, vou ali arrumar uns carros na esperança de que o proprietário da viatura ligeira não tenha trocos e me ofereça uma edição do Arkady Averchenko que estava pr'ali no fundo da bagageira.

Pó dos Livros disse...

No vazio da onda,

Para ressacar ainda mais... Tenho um exemplar em casa com outros cinco contos que nos deixa cá com uma pedra. Eh, eh, eh.;)

Jaime

No vazio da onda disse...

Está confirmado, é mesmo um acto de puro sadismo.
Vou percorrer este mundo e o outro, mas vou encontrar um exemplar. Quer dizer, assim o espero. E depois volto cá para o anunciar aos quatro ventos. Se não encontrar, volto cá na mesma, pois adoro o cheiro do pó dos livros.
abç
Marco

disse...

Também gostei muito do conto. É a primeira vez que ouço falar do autor. Encontrei duas gralhas - deformação profissional, que me leva a ver o argueiro no olho alheio, mas não a trave no próprio:
"Quando é um advogado que se presa, não."
"Deixei-me V. S.ª continuar!"
Parabéns pelo excelente blogue.

Pó dos Livros disse...

Zé,

Muito obrigado por ter chamado atenção para as gralhas.

Anônimo disse...

Olá! Alguém sabe como encontro o conto do Arkady Averchenko que fala sobre um casa invadida por um ladrão? Já procurei muito e não acho. E não sei o nome do conto. O ladrão e o dono da casa conversam por telefone para negociar. Por favor, é muito importante que eu encontre este conto. A quem puder me ajudar agradeço.
Rejane
rejane2010@yahoo.com.br