segunda-feira, novembro 23

A Fábula


Uma história alegórica da Primeira Grande Guerra, passada nas trincheiras em França e que trata de um motim num regimento francês, foi originalmente considerada um afastamento vincado das obras anteriores de Faulkner. Nos últimos tempos começou a ser considerada como um dos seus principais romances e uma parte essencial da obra de Faulkner. O próprio Faulkner combateu na guerra, e as descrições que faz dela «ascendem ao magnífico», segundo o New York Times, e incluem, nas palavras de Malcolm Cowley, «algumas das cenas mais poderosas que ele alguma vez concebeu.» Este romance foi galardoado tanto com o Pulitzer Prize bem como com o National Book Award em 1955.


«Se todos nós, o inteiro batalhão, pelo menos um batalhão, deixar as carabinas e as granadas e tudo para trás de nós na trincheira: trepar apenas de mãos nuas por cima do parapeito e atravessar o arame farpado e depois caminharmos apenas de mãos nuas, não de mãos erguidas para nos rendermos mas apenas abertas para mostrar que não temos nada para magoar, para ferir ninguém; não a correr, a tropeçar: apenas a avançar como homens livres que não querem nada excepto voltarem para casa e enfiarem-se em roupa limpa e trabalharem e beberem um pouco de cerveja à noite e conversarem e depois deitarem-se e dormirem e não terem medo. E talvez, apenas talvez, muitos dos alemães também queiram o mesmo, ou apenas um alemão que não queira mais do que isso, que ponha a sua carabina e granada no chão e também saia de mãos vazias não para se render mas apenas para que todos os homens vejam que não tem nada nelas nem para magoar...»

Edição: Casa das Letras
Autor: William Faulkner
Tradução: Maria João Freire de Andrade
Isbn:9789724618777
N.º Pág.331
Pvp:18.00€

Um comentário:

Rosa dos Ventos disse...

Gostei de vos conhecer e vou passar a ser visita diária!