terça-feira, novembro 24

O Homem Que Não Tira o Palito da Boca



«O autor usa uma linguagem magnificamente técnica, semiótica, de lógica formal e jurídica – obsessivamente perfeccionista, requintada, paranoicamente explicativa – para tratar de questiúnculas ou, pelo contrário, explicar formalmente, com uma lógica administrativa, a podridão familiar, política, económica, o quotidiano de miséria, prostituição, indecência, malfeitoria e sacanice (no Sambila e outros bairros) de pobres diabos e cidadãos abandonados pelos coevos. Histórias de casais e traições (infidelidades) são uma das obsessões divertidas de Melo. E, depois, há o tema das raças, cores de pele, classes, mas também o do assassinato piedoso, entre tantos.»


Edição: Editorial Caminho
Autor: João Melo
sbn:9789722120777
Pvp: 13.00€

Um comentário:

disse...

Só tenho pena de não saber o que significa "...uma linguagem magnificamente técnica, semiótica, de lógica formal e jurídica – obsessivamente perfeccionista, requintada, paranoicamente explicativa..." A sinopse faz-me lembrar a história do rei que vai nu e duvido que valorize a obra.