quarta-feira, novembro 18

Querem reinar ao guelas?

Lá na minha rua no bairro social dos Olivais sul, no tempo em que ainda praticamente não havia barreiras nem muros de espécie alguma entre os quintais, nós tínhamos um assobio. Era um assobio personalizado, com uma melodia própria, de forma que fosse facilmente identificado entre os assobios de outros grupos de miúdos, e que usávamos como chamamento para as brincadeiras ou aviso de aproximação de algum perigo. Soava mais ou menos assim: fiiiuuu, fuuuiii, viiuuu (nunca consegui assobiar bem). Na minha rua, os amigos e as brincadeiras estavam divididos hierarquicamente por idades e sexo, e as regras eram feitas, quase à semelhança do livro de William Golding, O Deus das Moscas, na ausência da supervisão dos adultos. Como uma ilha dentro de uma cidade, a rua organizava-se por grupos: o grupo dos miúdos dos cinco aos oito, o dos nove aos doze, o dos treze aos dezasseis e por aí fora. Também como no livro, os mais velhos e fortes ditavam as leis. Mas ditavam também as modas, e as modas eram as brincadeiras. Elas apareciam sazonalmente, por épocas: a época do pião, a dos carrinhos de esferas, a do jogo de berlinde, etc. No Inverno, os jogos de casa: o mikado, o dominó, o monopólio e muitos mais, só o futebol atravessava o ano inteiro.
Se conhecessem o meu assobio, assobiava agora mesmo para vos convidar a «reinar» comigo ao «guelas», ao mikado, ao dominó ou a outro jogo qualquer. É que estes e outros jogos chegaram à Pó dos Livros. Assim que os vi, regressei à minha infância.

Jaime Bulhosa

6 comentários:

Margarida disse...

Tal e qual. Cresci lá, e ainda hoje lá vivo. E a história do assobio tinha várias versões. Porque, na minha história, havia também o assobio do Avô à janela, a chamar para casa, na hora do lanche... :)
Ainda me lembro do cheirinho do papo-seco com manteiga que se arrepanhava numa corrida, para depois voltarmos para a rua outra vez, ainda antes do suor das corridas secar da testa...
Bons velhos tempos! Gostei de os revisitar nesta memória!

Alexia disse...

O Mikado da minha infância era tão diferente... Da Majora, tinha um grafismo que, agora, seria considerado absolutamente vintage. E não tendo eu crescido nos Olivais, brinquei, muitas vezes, lá, até porque morava perto. E que delicioso a recuperação dessa expressão que caiu em desuso "Vamos reinar"! Ao tempo que não a ouvia!

No vazio da onda disse...

Incrível, também eu os joguei todos, excepto o 'guelas'. What a fuck is that?

Anônimo disse...

Caro Vazio da Onda, guelas era o que na gíria infantil se chamava ao jogo dos berlindes... ao menos o Abafador sabe o que é?? :-)
CBorges

No vazio da onda disse...

Caro CBorges,
parece-me que abafadores é consigo, diria mais, um verdadeiro entendido!
Mais: já ouviu falar que as gírias podem ser diferentes consoante as regiões do país? Ou será que o seu 'mundinho' não passa da linha Amadora-Sinta?

Rosa dos Ventos disse...

Nesses jogos a minha participação limitava-se aos de Inverno, em casa, mesmo sem ter passado a infância nos Olivais.
As meninas do meu tempo não participavam nos jogos de rua dos rapazes ou por outra, talvez no agarra-e-foge...
Em todo o caso ainda recordo os meus filhos nessas brincadeiras que atravessaram muitas gerações!