segunda-feira, novembro 30

Uma questão de gosto?

- Como se distingue um livro que contém em si quase uma “inspiração divina” de outro que é pura conversa da treta?
- Para além todas as diferenças óbvias, o segundo vende-se.
- Isso não será uma falsa questão que se resume apenas a uma questão de gosto?
- Quando um ignorante proclama que nada está escrito sobre o gosto, eu diria que nada está lido sobre o gosto, por ele é claro!

Monólogo de um livreiro anónimo, a partir de uma frase de Saint-Beuve, depois de ver uma novidade que era qualquer coisa... que me esqueci.

5 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Uma questão muito interessante!

josé luís disse...

se a dicotomia qualidade/quantidade é de uma abrangência quase universal, por que razão haveriam os livros de estar dela isentos?
;-)

tiomanuel disse...

Eu também sofro do preconceito,
"se vende muito não pode ser bom".
É verdade na generalidade, mas acho que, por causa disso, já perdi alguma(s) coisa(s) de jeito.
Paciência, mas em tudo o que diz respeito a arte torço sempre o mariz ao "main stream".

Sofia disse...

Sem ter nada a ver com o post: Qual é a estação de metro mais próxima da livraria? Obrigada.

Pó dos Livros disse...

Sofia,

A estação mais próxima é de S.Sebastião pela saída da Duque d'Ávila/Marquês de Tomar.