quinta-feira, dezembro 3

Gafe clássica


Após uma longa ausência de 20 anos, dez anos na Guerra de Tróia e outros dez de viagem, Ulisses regressa a casa, sendo recebido por Agros, seu cão, que abana a cauda, reconhecendo-o.

[Odisseia de Homero]

Nota: Os cães em Ítaca, pelos vistos, viviam mais tempo e tinham uma memória de elefante.

9 comentários:

fallorca disse...

Eh, eh, eh... Não perdes uma

josé luís disse...

é evidente que o cão de ulisses tinha mais de vinte anos e deve ter vivido pelo menos outros tantos...
aliás, como o seu próprio nome indica, Agros é nome de leite UHT
(de longa duração).

Iceman disse...

Lol, bem observado.

No vazio da onda disse...

antigamente os cães eram ossos duros de roer.

Mau-r-à-dona disse...

ahah bem visto ;)

josé luís disse...

peço desculpa por ter brincado com uma "gralha" involuntária... o nome do cão creio que era «argos»...
mas a "gaffe" está lá sim senhor, bem visto.
:-)

disse...

Ora, é sabido que o grande Homero às vezes dormitava... E ele precisava daquele cão para um dos excertos mais bonitos da Odisseia, enternecendo o leitor antes da grande matança. Quero crer que quando o poema era dito aos serões e se chegava a esta parte, depois de tantas libações, já nenhum ouvinte se lembrava da duração da ausência do filho de Laertes.
Por outro lado, se a autoria for plural, mais facilmente se compreende a suposta gaffe. Por mim, aceito-a com a mesma benevolência com que vejo Sara a ser mãe aos 90 (salvo erro, também não vou confirmar).

_Maga disse...

Todos os homens são os mesmos homens, todos os chachorros também são os mesmos.

Seus cheiros suas histórias...

e suas gafes históricas! rs

Paula disse...

ahah
isto é que é estar atento :)
Cumprimentos