quinta-feira, dezembro 24

Prendas de natal


Dia 24 de Dezembro saio de casa para ir trabalhar. Estico o braço e o táxi pára.

- Por favor, para Av. Marquês de Tomar, depressa que eu estou um pouco atrasada.
- A senhora trabalha hoje?
- Sim, trabalho numa livraria.
- Trabalha numa livraria a sério, das que vendem livros de poesia e tudo?
- Sim. (Eu não acredito que o taxista vai começar a falar comigo).
- Então, arranje-me lá um livro para a minha filha que ela gosta dessas coisas da poesia.
-Mas!...
- Depois vou lá buscar.
- Esteja descansado fica guardado.
- Sabe, os portugueses são sempre a mesma coisa, isto é um país de gente triste, deixam tudo para a última hora!
- Hum, hum…
- O trânsito fica impossível e não se consegue estacionar em lugar nenhum.
- Pois…
- Os centros comerciais estão apinhados de gente, não se aguenta.
- Hum, hum…
- Como é que homem que trabalha pode comprar prendas de natal?
- Claro!…
- Veja lá que a mim ainda me faltam uns quantos presentes e um deles é para a minha mulher.
- Pois...

Chegou fim da viagem e paguei quatro euros. Pouco tempo depois o senhor taxista passou a senhor cliente. Levou o livro de poesia que estava guardado para a sua filha, mais uns quantos que resolveram todas as suas prendas de natal.

- A senhora foi o anjo da cultura que me caiu do céu.

7 comentários:

josé luís disse...

:-)
[feliz natal!]

dora disse...

maravilha : )

( srª-anjo ).

stiletto disse...

Um anjo da cultura é uma coisa linda de se ouvir no Natal...

Menphis disse...

E qual foi o livro ?

fallorca disse...

Às vezes, lá calha...

Damião disse...

Engraçado! Na livraria do meu pai também é frequente uma pessoa lá ir para comprar um livro e acaba por levar prendas para toda a gente. Ele mesmo o relata:

http://chapeuebengala.blogspot.com/2009/12/razoes-de-queixa-ate-no-natal.html

Rosa dos Ventos disse...

Eu gosto de falar com taxistas!