quinta-feira, janeiro 14

Não tenho tempo


Não tenho tempo para escrever no blogue. Porquê? Porque não existe tempo presente suficiente para escrever a não ser que eu use o tempo pretérito e o tempo futuro. Passo a explicar: Todos nós temos a percepção do tempo, como a passagem do tempo entre o pretérito, o presente e o futuro. Fácil até aqui. O que agora transparece é que não há tempos futuros, nem pretéritos. É impróprio afirmar: Os tempos são três: pretérito, presente e futuro. Mas talvez fosse próprio dizer: os tempos são três: presente das coisas passadas, presente dos presentes, presente dos futuros. Existem pois estes três tempos na minha mente que não vejo em outra parte: memória presente das coisas passadas, visão presente das coisas presentes e esperança presente das coisas futuras. Se me é lícito empregar tais expressões, vejo três tempos e confesso que são três. […]
Que é, pois, o tempo? Quem poderá explicá-lo clara e brevemente? [...] e de que modo existem aqueles dois tempos – o passado e o futuro – se o passado já não existe e o futuro ainda não veio? Quanto ao presente, se fosse sempre presente, e não passasse para o pretérito, seria eterno e não presente, como poderíamos afirmar que ele existe, se a causa da sua existência é a mesma pela qual deixará de existir? […]
Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou, tempo de matar e tempo de curar, tempo de derribar e tempo de edificar, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de saltar de alegria, tempo de espalhar pedras e tempo de juntar pedras, tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar, tempo de buscar e tempo de perder, tempo de guardar e tempo de deitar fora, tempo de rasgar e tempo de coser, tempo de estar calado e tempo de falar, tempo de amar e tempo de aborrecer, tempo de guerra e tempo de paz.
E tempo para escrever no blogue?
Confusos? É o que dá eu andar a ler as Confissões, de Agostinho de Hipona, mais conhecido por Santo Agostinho.

--

Jaime Bulhosa

4 comentários:

Patty disse...

Adorei.
Acho que vou ler as "Confissões".

Manuel disse...

O Tempo perguntou ao Tempo quanto tempo o Tempo tem.
O Tempo respondeu ao Tempo que o tempo tem...
Hoje passei parte do meu tempo na Pó dos Livros.
O Tempo disse-me:
Usas o tempo bem...

Cumprimentos

Areia às Ondas disse...

Em Novembro assisti a uma conferência do Prof. José Jobson Andrade Arruda na Universidade de S. Paulo, sobre este tema... foi uma exposição magnífica, com o poder de oratória de Arruda, com os momentos temporais de S. Agostinho e uma audiência deliciada como crianças num parque temático.

Danies disse...

É uma leitura imprescindivel. A minha passagem favorita é esta: "Desde que entramos neste corpo mortal, a morte nunca mais deixou de estar a vir (...) O tempo que se vive, é vida que se corta e cada dia que passa, é menos vida que nos fica. O tempo da nossa vida é caminho para a morte onde não está previsto um segundo de atraso (...). Se começarmos a morrer logo que, em nós, começa a actuação da morte, deve dizer-se que começamos a morrer logo que começamos a viver (...). Consumida a vida, fica terminada a morte que se vinha realizando pouco a pouco. Por isso, o homem nunca está em vida: é mais um morto que um vivo- já que não pode estar simultaneamente morto e vivo".
(In: De Civitate Dei - Santo Agostinho)

Grande blogue e excelente livraria.