quinta-feira, março 18

No creio en brujas, pero que las hay, las hay

Entra um cliente de aparência estrangeira e com ar misterioso.
- Faça favor.
- Bom dia! É capaz de me dizer qual dos meus ouvidos está a zumbir?
- Como!?...
- Se é capaz de adivinhar qual dos meus ouvidos está a zumbir?
O livreiro meio hesitante, responde:
- O direito.
- Bravo! Acertou!
- Claro!... Eu possuo o dom de adivinhar. Porém, qual era o seu interesse em que eu adivinhasse?
- Há uma tradição, na minha terra, segundo a qual, se um fulano adivinha que ouvido está zumbindo a outro, é certo vir a realizar-se aquilo que no momento da adivinhação deseja o proprietário do ouvido.
- E o que deseja o senhor?
- Que me diga que tem um livro que eu sei que está esgotado.
O livreiro, encolhendo os ombros, sorriu:
- Sim, diga lá então... Qual é o livro?
- 2666, de Roberto Bolaño.
O livreiro abrindo muito os olhos, sacudindo a cabeça ligeiramente para trás, completamente atónito, pergunta:
- Como é que adivinhou que temos um exemplar que acabaram de vir trocar?
- Não fui eu que adivinhei, foi você.

Jaime Bulhosa

3 comentários:

Malta da Rua disse...

Blog delicioso :-)

cristina disse...

Tenho de conhecer este livreiro :)

Carlos. Branco. disse...

Muito, amo muito em ler esse blog,
espetacular.

O Poeta de Plutão
http://www.carlosbranco.com.br/