terça-feira, abril 6

Diário Volúvel


Título: Diário Volúvel
Autor: Enrique Vila-Matas
Tradução: Jorge Fallorca
Edição: Teorema, 2010
ISBN: 9789726958758
PVP: 17,00€
---
---
"O Sol irrompe com o despertar da manhã, última quarta-feira deste estranho Fevereiro primaveril. Não sei porquê, gosto de ler certos autores quando comentam os livros dos outros. Habituei-me a fazê-lo em casa, orientado na direcção do Sol, cujos raios me obrigam a um esforço acrescido para ler, embora seja um esforço - não gosto que ler me seja sempre tão fácil - que acabo por agradecer. Esta manhã, por exemplo, deparo-me com Julien Gracq fascinado perante umas linhas onde Proust descreve os passos de Gilberte pelos Campos Elísios. O grande leitor que é Gracq detém-se feliz nesse ponto em que Proust fala da neve sob a balaustrada da varanda onde o Sol que emerge deixa fios de ouro e reflexos negros.
«É perfeito», comenta Gracq, «não há nada a acrescentar: aqui está uma conta saldada como deve ser com a criação, e Deus a pagar com uma moeda que tilinta com tanta solidez como uma moeda de ouro em cima da mesa do caixeiro.» O que a mim me parece que é na realidade perfeito é o comentário de Gracq. A sua moeda ficou a tilintar-me na memória. E, quem sabe, talvez também a manhã seja perfeita. Breve arrebato de alegria e de pequena festa, graças apenas a uns poucos lampejos de sol e leitura. Como se tivesse iniciado uma segunda vida.
---
(...)
--
Começar é muito fácil. Mas o pior vem depois, quando é preciso continuar a dar-lhe. A princípio, começa-se, chega-se, procura-se a protecção de um grupo geracional e devora-se o mundo. O difícil vem depois, quando é preciso continuar a devorar o mundo. O mais difícil é manter-se, para já nem falar em acabar. Ödön Von Horváth costumava dizer: «A maior alegria do mundo é começar.» Mas não passará à história por isso, mas precisamente pela sua maneira de acabar. Morreu fulminado por um raio em plenos Campos Elíseos de Paris. Von Horváth foi um caso raro como escritor, porque soube começar e acabar."
---
Enrique Vila-Matas, in Diário Volúvel

Nenhum comentário: