quarta-feira, maio 26

Realidade ou ficção?


- Por favor, têm livros com leis?
- Sim, temos livros de Direito.
- Então eu queria um.
O livreiro, sem perceber bem o que o cliente pretendia.
- Refere-se à Constituição, ao Código Civil, ou a outro?…
- Sei lá, queria um livro com as leis que nós temos!
- Desculpe, mas não estou a entender, exactamente, o que pretende.
- Olhe, vou ser sincero, o que eu quero saber é se há alguma lei que proíba embebedar perus no Natal? É que um amigo meu diz que há!

Sobre pedidos de livros bizarros, já escrevi aqui e aqui. Mais tarde, verifiquei que, embora sejam insólitos, estes livros não fazem parte da ficção, mas sim da mais pura realidade. A propósito desta história, lembrei-me de fazer uma pequena pesquisa sobre leis bizarras, extravagantes. Vejam o que descobri:

Em Novembro de 2007, o canal televisivo UKTV Gold divulgou os resultados de um inquérito inabitual, feito a partir de uma pesquisa sobre leis antigas que, apesar de obsoletas, nunca foram revogadas. Os promotores da iniciativa criaram uma lista e pediram aos espectadores que votassem nas que consideravam mais absurdas. Eis aqui algumas das mais votadas:

- Em Inglaterra é ilegal morrer no edifício do Parlamento.
- Em França, é ilegal atribuir a um porco o nome de Napoleão.
- No Vermont, EUA, as mulheres têm de obter por escrito o consentimento dos maridos para poderem usar dentadura.
- Na Indonésia, a masturbação é punida com a morte por decapitação.
- No Bahrein, os médicos do sexo masculino só podem examinar os órgãos genitais de uma mulher através do reflexo de um espelho.
- Na Suíça, os homens não podem urinar de pé depois das dez da noite (lei que devia ser aplicada em Portugal, está aqui a dizer a minha colega.)
- No Reino Unido, é ilegal entrar nos edifícios dos parlamentos com uma armadura vestida.
- Em York, é permitido matar escoceses, desde que estes se encontrem dentro dos limites das antigas muralhas da cidade e estejam armados com arco e flecha.
- No Reino Unido, uma mulher grávida pode fazer as suas necessidades fisiológicas onde bem entender, nem que seja no capacete de um agente da polícia.
- No Japão, não há idade mínima legal para relações sexuais com consentimento.
-
Jaime Bulhosa

2 comentários:

Ivania santos By DIAMOND disse...

Belo post!!

=)*

xoxo, Ivânia Diamond

Patty disse...

E qual a pena a aplicar ao eventual cadável que "entregue a alma ao criador" no dito Parlamento???