quarta-feira, junho 30

Ma Dalton


- Quanto custa este livro?
- 20 euros.
- Mas este livro valia 16 euros o ano passado.
- Não, minha senhora, sempre foi a 20 euros.
A cliente com uma voz muito calma, insiste:
- Eu não estou doida, diga lá, o preço é 16 euros, não é?
- Não, minha senhora, deve estar a confundir com a edição importada, essa sim, custava 16 euros.
- O que é que me está a querer dizer, que a minha memória está fraca? Não vou aceitar. Você não tem o direito. Você é um impertinente que me está a chamar velha tonta e o único tonto aqui é você, ouviu!...
Enquanto diz mais alguns impropérios, tira da mala de mão uma pistola que aponta ao livreiro, coloca um sorriso nos lábios e num tom de voz muito amável, pergunta novamente:
- Quanto custa este livro?
- 16 euros, minha senhora, sem nenhuma sombra de dúvida.
Responde o livreiro de braços no ar e tilintando as pernas por todos os lados.

Pode-se conseguir mais com uma palavra amável e uma pistola, do que só com uma palavra amável.

Al Capone
-
Jaime Bulhosa

5 comentários:

jabouille disse...

"Quando ouço falar em cultura puxo logo da pistola"...numa extrema interpretação...!

Poetic GIRL disse...

Fantástico! LOL

Chronic Writer disse...

Uma pistola não digo... mas ainda no Rossio a Oficina era Notícias e levei com As Crónicas da Margarida na cabeça, oferta gentil de um cliente habitual. Só levei a mal ter sido o livro em causa. Preferia o Pantagruel palavra de honra. :)

josé luís disse...

{rabd}

... e nem era necessário exibir a pistola; bastava ter mostrado uma caixa de fósforos e ter dito: "o senhor tem aqui uma bela livraria, seria uma pena que um incêndio qualquer a destruísse... quanto é que o livro custa mesmo?"... ;)

Kássia Kiss disse...

"Pode-se conseguir mais com uma palavra amável e uma pistola, do que só com uma palavra amável."
Ou, nas palavras de Mario Puzo ("O Padrinho"): "Faço-lhe uma proposta que ele não pode recusar."