quinta-feira, julho 15

Começar bem o dia

Sou muito tolerante em relação às opiniões dos outros. Sinceramente, não me causam o menor transtorno, nem percebo porque é que há pessoas que se irritam por tudo e por nada quando alguém as contraria. Não faz sentido. Cada um tem o direito às suas opiniões, gostos, preferências sexuais, ideologias, religiões, clubes de futebol, etc., e devemos saber respeitá-las quando não coincidem com as nossas. Parece-me ser um raciocínio simples de pôr em pratica.

- Bom dia! E que lindo que está. Que sol esplendoroso, não acha? Olhe, por ser o primeiro cliente do dia, faço-lhe um desconto.

- Deixe-se de tretas e diga-me uma coisa: de quem foi a falta de gosto na escolha do nome para a livraria? Por amor de Deus, até deve afastar a clientela. Que mentecapto teve a triste ideia? Já para não falar na ideia do logótipo, que horror, que bicho horrível. Quase não se consegue escolher um livro de jeito nesta livraria. Dê-me antes um saco de plástico, em vez daquele de papel pavoroso que vocês têm. Blá, blá, blá…

O cliente continuava naquilo que era o seu direito, isto é, expressava a sua opinião. Eu, no meu fairplay habitual, sempre de sorriso nos lábios, pensava no maravilhoso dia que estava lá fora, a um dia do começo das férias, sem dar demasiada importância ao que ouvia, ao mesmo tempo que tentava recordar um pensamento que sabia adequar-se perfeitamente àquele momento e que, com toda a calma do mundo, me preparava para pôr em prática:

Gostaria por vezes de ser canibal, não tanto pelo prazer de devorar este ou aquele, mas antes pelo de o poder vomitar.

E.M.Cioran


Jaime Bulhosa

2 comentários:

fallorca disse...

Fiufiu...

Pseudo-livreiro disse...

Fui livreiro, se é que posso ou devo usar tão nobre título, durante aproximadamente 10 anos. Ao ver e ao ler o seu blogue concluo, com um pouco de inveja, não escondo, que gostaria de ter trabalhado na sua livraria.

Sinceros cumprimentos.