sexta-feira, agosto 20

As novas tecnologias e o fim dos livros

Creio, portanto, no sucesso de tudo aquilo que lisonjeie e alimente a preguiça e o egoísmo do homem; o elevador pôs fim às escadas dentro de casa; o fonógrafo destruirá provavelmente a tipografia [...]

-Permita-me que lhe pergunte – disse ele – como é que substituirá a ilustração dos livros? O homem, que é uma eterna criança grande, reclamará sempre imagens e gostaria de ver a representação das coisas que ele imagina ou que lhe contam.

- A sua objecção não me embaraça – repliquei. – A ilustração será abundante e realista e poderá satisfazer os mais exigentes. Ignora talvez a grande descoberta de amanhã, aquela que em breve nos deixará estupefactos. Refiro-me ao cinetógrafo de Thomas Edison.[...]

E o Jornal diário, perguntar-me-ão, a Imprensa, tão considerável em Inglaterra e na América, o que será feito dela?

Não se preocupem, ela seguirá o rumo geral, pois a curiosidade do público não cessará de crescer [...] Na redacção de um futuro grande jornal fonográfico: o importante será ser-se informado rapidamente e em poucas palavras, sem comentários.

Octave Uzanne, O Fim dos Livros, (1895)

2 comentários:

fallorca disse...

:)

ana disse...

Parabéns pela escolha!
É interessante esta visão do século XIX.
Boa noite.