quinta-feira, setembro 23

Informação:

A próposito do post anterior, a editora Fonte da Palavra anuncia, no seu sítio da Internet, que o livro Angelina. Uma Mulher do Povo na I República, de Manuel Dias Duarte, vai ser retirado do mercado.

9 comentários:

Kássia Kiss disse...

Nem sequer foram suficientemente espertos para deixarem passar algum tempo. Tivessem editado a capa-plágio dois anos mais tarde, talvez ninguém desse conta...

Pensando bem, era capaz de ser difícil, com uma capa que "dá tanto nas vistas"...

P.S. Claro que não sou a favor do plágio, intriga-me apenas a ingenuidade dos plagiadores neste caso.

fallorca disse...

O miolo vai mudar de roupa; deu muito nas vistas andar com roupa em segundo corpo ;)

Carlos Maduro disse...

Pretendia o Sr. Bulhosa colocar a ridículo quem se dedica ao mesmo trabalho. Lembrando a possível falta de qualidade das publicações da Fonte da Palavra. As palavras ficam com quem as profere. Talvez ciúmes pelo facto de todos quererm aproveitar a República. Mas uns fazem-no com massa crítica, invocando, caso raríssimo, mulheres; outros limitam-se a aproveitar a ocasião para publicar postais. Realmente presunção e água benta cada um toma a que lhe escorre.
Carlos Maduro

Anônimo disse...

Por falar em plágios, a Tinta da China não é propriamente inocente. Compare-se esta capa publicada este mês (http://www.tintadachina.pt/book.php?code=e8d985b2b8ae9ac059efb6a5dfc64a5c&tcsid=12dcd144c56658a1112debf55412999e) com estoutra (http://www.amazon.co.uk/High-Castle-Penguin-Modern-Classics/dp/0141186674).

Anônimo disse...

O pior de tudo é que a capa era uma merda.

Anônimo disse...

Pois, parece que o plágio apontado à Tinta da China aqui não passou ;) Os Bulhosas continuam iguais a si mesmos

Pó dos Livros disse...

Sr. Carlos Maduro confunde “colocar a ridículo” com denúncia que, em sentido genérico, é uma tentativa de levar a conhecimento público ou de alguma autoridade competente um determinado facto ilegal. Ridículo é o facto denunciado e não a denúncia.

Jaime Bulhosa

Carlos Maduro disse...

É certo que não vamos chegar a um acordo. Permito-me, contudo, alguma água na fervura pela forma como ouviu os comentários, os manteve e lhe deu resposta. Outros blogues exerceram censura, lamentável, mas honra lhe seja feita pela postura que manteve.
A minha atitude, repito, não foi em defesa da Fonte da Palavra pela prática duma ilegalidade, mas pela forma como cita o página da Editora, atingindo indirectamente os seus autores.
Se entrarmos pelo caminho da qualidade e do ridículo, quanto não poderá ser dito.
Pemita que termine aqui esta contenda, mas só não sente quem não é filho de boa gente.

Carlos Maduro

Pó dos Livros disse...

Sr. Carlos Maduro, não temos que chegar a acordo e ainda bem que assim é. A diversidade de opiniões é uma coisa boa, a unanimidade, como sabe, pode ser bastante mais perigosa. No entanto, permita-me que lhe pergunte o seguinte: Não servirá a denúncia, exactamente, para proteger os autores? Se reparou, a qualidade da obra e o nome do autor nunca foram postos em causa.

Jaime Bulhosa