quarta-feira, setembro 1

Passa-palavra


Os livros que lemos podem ser-nos revelados de diversas maneiras, através dos seus títulos, dos seus autores, do lugar que ocupam numa estante da livraria ou lá de casa, de uma referência a um título que lemos noutro livro ou num blogue, revista, jornal, das ilustrações da capa, do tamanho, formato, encadernação, papel, tradutor, etc. Mas os livros são-nos revelados sobretudo pelo passa-palavra, isto é, pelo aconselhamento de alguém que se tem em conta e, isso sim, é verdadeiro marketing. Não é rápido, no entanto, dura e cresce sempre.
A mim, ultimamente, os livros têm-me sido revelados pelo aconselhamento especializado da minha colega Débora, que já leu tudo o que eu li e mais alguma coisa. E, extraordinariamente ou não, ela acerta sempre.
-
Jaime Bulhosa

4 comentários:

Anônimo disse...

Quando aí for, pergunto pela Débora antes de olhar para as estantes.

Maria Helena

Joana disse...

Também gosto muito de conversar com a Débora sempre que vou à Pó dos Livros, é muito culta e simpática.

Cat disse...

Pois eu tenho-me inspirado precisamente aqui (A máquina de fazer espanhóis e Se isto é um Homem, por exemplo). Mas é mesmo a melhor forma. Quando leio algo de que gosto já estou a pensar "tenho de dizer a y que de certeza vai gostar " e fico desejosa de partilhar as minhas "descobertas".

Rianne Micelle disse...

Concordo que os melhores livros caem em nossas mãos por meio de conselhos amigos. Gostei das postagens, leve de ler. :)