segunda-feira, outubro 18

O primeiro romance

Consta que a mais jovem escritora a ganhar um lugar no panteão da grande literatura inglesa foi Daisy Ashford, que escreveu The Young Visiters, or, Mister Salteena’s Plan, com apenas nove anos de idade. O livro foi apresentado pelo criador de Peter Pan, J.M. Barrie, em 1919 (apropriado).

O romancista inglês a publicar um primeiro romance com a idade mais avançada foi William de Morgan. Sofrendo de depressão, Morgan foi aconselhado pelo seu médico a escrever ficção como terapia. Daqui resultou o romance Joseph Vance (1906), escrito aos 67 anos de idade. Teve um enorme sucesso e seguiram-se outros. A terapia foi, evidentemente, Prozac literário.

Henry-Pierre Roché era um jornalista francês respeitado, bem como negociante e coleccionador de arte. Mas ficou, principalmente, conhecido por ter escrito o romance Jules et Jim, em 1953, o qual seria, mais tarde, adaptado para o cinema pelo cineasta François Truffaut. O romance autobiográfico foi editado quando Roché contava já 74 anos de idade.

Entre nós, poderia mencionar alguns nomes de romancistas tardios, como por exemplo José Saramago. Contudo, prefiro lembrar que existem vários outros candidatos, para também inscrever o seu nome como o romancista português estreante com a idade mais provecta. Não é por nada, é que são várias as personalidades da nossa elite cultural que andam, há anos, a anunciar o seu primeiro romance.

Jaime Bulhosa

Um comentário:

José Cipriano Catarino disse...

Uma pequena discordância: um romance não se anuncia -- escreve-se. Basta recordar João da Ega e o seu espantoso Memórias dum Átomo, ou depois o Lodaçal, ou o outro romance de estilo oriental, que andava a escrever e cujo título me não ocorre agora. Por me lembrar do grande Ega, dão-me sempre vontade de rir esses futuros grandes romances que muitos anunciam andar a escrever. Se escrever fosse prazer, seriam certamente mais abundantes que os passarinhos na Primavera; como é tortura, ficam-se por promessas, as quais, entretanto, dão nomeada e dividendos a alguns...