sexta-feira, outubro 8

Preâmbulo


Outro dia, alguém me entregava um manuscrito de um livro da autoria de uma familiar para que eu o lesse e lhe desse a minha (humilde) opinião. Tarefa que eu detesto fazer. Mesmo mostrando má cara e explicando à pessoa em causa que não sou nenhum crítico literário, apenas leitor que por acaso é livreiro, acabei por aceitar, por cansaço, perante tanta obstinação. Ao folhear o livro perguntei à portadora da obra se esta continha um preâmbulo que me pudesse facilitar o entendimento da mesma. Assustei-me, dei um verdadeiro pulo na cadeira, apanhado de surpresa, com o grito exacerbado, e estupidamente inadequado, como reacção à minha simples (julguei eu) pergunta.

- PREÂMBULO!?... Que horror! Sobre que porcarias o senhor julga que a minha filha escreve?

Arrancou o manuscrito da minha mão e foi-se embora furibunda.

Nota: Um preâmbulo (do latim Preambulus) é, no mesmo sentido que prefácio, «o que precede», embora geralmente seja escrito pelo autor e contenha informação sobre as suas intenções ao escrever o livro.

Por exemplo, como no preâmbulo deste livro: Estude estas regras e imite os ingleses, o resultado só pode ser um: se não for bem-sucedido a imitá-lo, torna-se ridículo; se for bem-sucedido, torna-se ainda mais ridículo.

George Mikes, in How to Be an Alien, 1946


Jaime Bulhosa

Um comentário:

João disse...

Caro Jaime,

Através de uma pesquisa no Google pelo livro "O Jardim dos Finzi-Contini", vim dar com a Pó dos Livros. Fiquei a conhecer a livraria pouco tempo depois da sua abertura, mas desconhecia o blogue. De qualquer modo, aproveito para lhe colocar uma questão: porque é que os livros, em Portugal, continuam a ser tão caros? O livro que referi atrás custa 18 euros! Estou a viver actualmente em Bruxelas e esse é o preço normal dos livros por aqui. Trata-se simplesmente duma questão de mercado ou seria realmente possível ter edições menos aceitáveis, mas mais baratas?

Cumprimentos,