terça-feira, dezembro 28

Estado de espírito

Um escritor iraniano do século XX, Khanlari, conta-nos uma pequena fábula que reflecte perfeitamente o meu actual estado de espírito:

«Um grande falcão sobrevoa uma paisagem à procura de uma presa. Sente-se forte e ameaçador, nas alturas vê e domina todas as coisas. De um arco, lançada por um caçador escondido, uma flecha vem então atingi-lo. Fica ferido de morte, sente-o, já não pode mexer as suas asas que se fecham. Ao cair, olha para a flecha que o trespassa e vê que o empenamento é feito com penas de falcão. Diz então, mesmo antes de morrer:

- Porque hei-de lamentar-me? O que vem a nós vem de nós.»

2 comentários:

Miguel Monteiro disse...

Permita-me a "helenização"-cruzada!

http://trabalharcansa09.blogspot.com/2010/10/hows-that-for-metaphor.html

Mistério disse...

Uma verdade.
Nós colhemos o que nós próprios plantamos. Pena que nem todas as pessoas seguem esse pensamento.