terça-feira, fevereiro 1

O gordo e o magro


Na estação de caminho-de-ferro «Nikolaevskaia» encontram-se dois amigos – um gordo e o outro magro.

O gordo acabava de almoçar no restaurante e tinha os lábios lambuzados de manteiga, nédios como cerejas maduras, cheirava a xerez e a fleur-d’orange. O magro entretanto, saía do comboio e estava carregado de malas, trouxas e caixas. Cheirava a presunto e a borras de café. Por trás das suas costas espreitavam a esposa, uma mulher franzina de queixo alongado, e o filho, um colegial, alto e um olho semicerrado.

- Porfiri! – exclamou o gordo ao ver o magro. – És tu, meu velho? Há que tempos não nos víamos!

- Jesus! Admirou-se o magro. – Micha! Amigo! Que te trouxe aqui?

Os amigos beijaram-se três vezes e fixaram um no outro os lhos cheios de lágrimas. Ambos estavam agradavelmente surpreendidos.

- Meu caro amigo! – começou o magro. – Não contava ver-te aqui! Que surpresa! Deixa-me ver-te bem! O mesmo bonitão, como sempre foste! O mesmo janota, o encanto em pessoa, Aí Jesus! Então, como é? Já estás rico? Casado? Eu já tenho família, como podes ver… apresento-te a minha mulher Luísa, da família dos Wanzenbach… uma luterana… O meu filho Nafanail, aluno do terceiro ano. Aqui têm o meu amigo de infância! Andámos juntos na escola!

Nafanail pensou um bocado e tirou o boné.

- Sim, andámos juntos na escola – prosseguiu o magro. – Lembras-te como te chamavam? Heróstrato* , por teres queimado um livro da biblioteca com um cigarro. E a mim Efialtes**, pois era queixinhas. Ah! Ah! Éramos crianças! Não tenhas medo, Nafanail! Chega-te cá mais perto… E eis a minha mulher, da família dos Wanzenbach… é uma luterana…

Nafanail! Pensou um bocado e achou por bem esconder-se por trás das costas do pai.

- Então como te corre a vida? – perguntou o gordo, olhando o outro alvoraçado. – Onde estás, na função pública?

- Sim, meu velho! Há dois anos que tenho grau de assessor e a ordem de Estanislau. O ordenado é baixo, mas isso não vem ao caso. A minha mulher dá lições de música, eu também montei um pequeno negócio; faço cigarreiras de madeira. Boas cigarreiras, a propósito. Vendo-as a um rublo cada. A quem comprar dez ou mais, faço desconto. Cá nos arranjamos como podemos. Antes trabalhava num departamento, agora metem-me aqui como chefe de secção… Bem, estamos já aqui. E tu, como vais? Não subiste ainda a conselheiro de Estado, hein?

- Não, meu caro, estou ainda mais alto – respondeu o gordo. – Sou conselheiro privado… Tenho duas Estrelas.

De súbito, o magro empalideceu, petrificado, mas logo o seu rosto abriu-se num sorriso desmedido e o rosto e os olhos pareciam faiscar. Encolheu-se, curvou-se, ficou mais estreito… As suas malas, trouxas e caixas também se encolheram, encarquilharam… O queixo alongado da mulher alongou-se ainda mais, e Nafanail pôs-se em sentido e abotoou o uniforme do colégio.

- Sim Excelência… é um grande prazer! Afinal, tenho por amigo de infância, se me permite a expressão, um alto dignitário do Estado! Ih! Ih!

- Ora, deixa-te disso! – disse o gordo, fazendo uma careta. – Perdão… mas como é possível… ciciou o magro, encolhendo-se ainda mais. – a benevolente atenção da Vossa Excelência é para nós um maná vivificante… A minha mulher Luísa, luterana, se me dá licença…

O gordo quis objectar qualquer coisa, mas ao ver no rosto do outro tanta devoção, doçura e submisso respeito, sentiu-se enjoado. Voltou a cabeça estendeu a mão em jeito de despedida.

O magro apertou-lhe três dedos, inclinou-se numa reverência profunda e soltou um risinho «Ih! Ih! Ih!», como um chinês. Nafanail curvou-se numa vénia e deixou cair o boné. Todos os três estavam agradavelmente surpreendidos.

* Herostrato, com intuito de imortalizar o seu nome, incendiou em 356 a.c. o Templo de Ártemis, em Efeso, uma das sete maravilhas do mundo.

** Efialtes traidor do povo grego que, na batalha de Termópilas (480 a.c.) indicou o caminho secreto aos Persas.

Anton Tchékhov

Nenhum comentário: