quarta-feira, fevereiro 9

Sobre a tolerância


O filósofo inglês Simon Blackburn, conta a história de um encontro entre eminentes representantes das mais variadas religiões. Às tantas o representante budista diz que celebra a paz interior, a compaixão, a renúncia aos desejos. Os outros dizem-lhe:

- É maravilhoso. Se para si funciona, é fantástico.

O hinduísta toma a palavra e fala do Samsara, dos ciclos da vida, do ensinamento subtil e complexo dado por Krishna no Bhagavad-gita. Os outros participantes escutam-no e dizem-lhe:

- É maravilhoso. Se funciona, é verdadeiramente fantástico.

O católico fala então da mensagem de Jesus, da vinda de Deus à terra, da redenção pelo sacrifício na cruz, da salvação. Da vida eterna, do amor ao próximo, seja ele quem for. E os outros participantes dizem-lhe:

- É maravilhoso. Se para si funciona, é excelente.

O católico enerva-se, fica furioso e diz aos outros:

- A questão não é que funcione para mim! Está aqui uma verdade universal, é a palavra do próprio deus vivo! E se não acreditais, sereis malditos para toda a eternidade!

Os outros, atónitos com tamanha exaltação, dizem-lhe todos em coro:

- É absolutamente maravilhoso. Se para si funciona, é fantástico.


Nota: este exemplo serve também para outras religiões de origem cristã, islâmica ou judaica.

4 comentários:

Areia às Ondas disse...

Excelente! Sobre a matéria realço o Guia dos Perplexos de Moshe ben Maimon ou Moisés Maimónides ou, como ele se intitula em O Médico de Córdova (de Herbert Le Pourrier), Moisés, o Espanhol. É possível viver em harmonia.

fallorca disse...

É maravilhoso ;)

Moura Aveirense disse...

Sublime! :)

Sónia@Rome disse...

É absolutamente maravilhoso. Se para todos eles funciona, fantástico. :D