sexta-feira, março 18

Dedicatórias em obras literárias


«Além de não andar bom de saúde, estou sem cheta. E imperador por imperador, monarca por monarca, tenho em Nápoles ao grande conde de Lemos que, embora eu não ostente graus nem diplomas universitários, me mantém, me ampara e faz mais mercês do que as que posso apetecer.» Miguel de Cervantes (1547-1616), segunda parte de Dom Quixote de La Mancha (1615)

«Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico, como saudosa lembrança estas Memórias Póstumas.» Machado de Assis (1839-1908), Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881)

«A Léon Werth. Peço perdão às crianças por dedicar este livro a uma pessoa grande. Tenho uma desculpa séria: essa pessoa grande é o melhor amigo que tenho no mundo. Tenho outra desculpa: essa pessoa grande é capaz de compreender tudo, mesmo os livros para crianças. E tenho uma terceira desculpa: essa pessoa grande mora em França, onde passa fome e frio. Bem precisa de ser consolada. Se todas estas desculpas não chegarem, gostava de dedicar este livro à criança que essa pessoa grande já foi. Todas as pessoas grandes já foram crianças. (Mas poucas se lembram disso.) Corrijo, a minha dedicatória: A léon Werth, Quando ele era Rapazinho.» Antoine de Saint-Exupery (1900-1944), O Principezinho (1943)

«Para John Dillinger, na esperança de que ele ainda esteja vivo.» Dedicatória de William S. Burroughs (1914-1997), no poema A Thanksgiving

«Para Vera e Alex e, é evidente, para o gato Benevides, que me deu tremendas lições de dignidade.» Mário-Henrique Leiria, (1923-1980), Novos Contos do Gin (1974)

«Ao Castor.» Dedicatória de Jean-Paul Satre (1905-1980) à sua inseparável Simone de Beauvoir, em A Náusea (1938)

«Ao meu Bibi.» Dedicatória de Boris Vian (1920-1959) à sua mulher Michelle Léglise, em A Espuma dos Dias (1947)

4 comentários:

{anita} disse...

que lindo post :)
aquela dedicatória d'O Principezinho nunca me saiu da cabeça desde a primeira vez que li o livro (há tantos anos). é ela mesma um belo conto.
E a do Cervantes é fabulosa. Genial logo desde a dedicatória...

Cristina Torrão disse...

São todas dignas de nota. Mas destaco: "Todas as pessoas grandes já foram crianças. (Mas poucas se lembram disso.)" - o mundo seria bem mais agradável, se mais se lembrassem disso...

Cristina Torrão disse...

Já agora, uma pergunta (e desculpe a minha ignorância neste caso): presumo que a dedicatória tenha sido feita no "Principezinho"...

Pó dos Livros disse...

Cristina Torrão,
tem toda a razão, esqueci-me de colocar a obra.

Obrigado