segunda-feira, abril 4

Quiproquós


Estou com alguns quiproquós em relação à omnipotência de Deus. A palavra “omnipotência” significa, segundo os bons dicionários, o que pode tudo. No entanto, Deus não pode tudo. Não pode, por exemplo: ser quadrado e redondo ao mesmo tempo; ser um triângulo com quatro lados; ganhar uma partida de xadrez depois de eu lhe ter dado xeque-mate, e por aí fora. Resumindo, Deus só pode fazer tudo o que é possível fazer-se, isto é, tudo o que não seja uma contradição em termos. Vou ser mais claro: imaginemos que Deus cria uma pedra que, de tão gigantesca, não é possível ser levantada, nem por ele próprio. Sendo Deus omnipotente, pode criá-la, mas ao fazê-lo estará a pôr em causa a sua própria omnipotência, pelo simples facto de não conseguir levantar a pedra que ele próprio criou. Quer isto dizer que Deus não é omnipotente? Quer isto dizer que Deus não existe? Para alguns sim, para outros não, para mim nim. Confusos? Eu também. Todavia, estas questões já foram respondidas, através dos séculos, pelos mais diversos filósofos da religião. Para quem se interessa por este tema, aconselhamos a leitura do livro Introdução à Filosofia da Religião, de William L. Rowe, edição Verbo.


Jaime Bulhosa

3 comentários:

Cláudia da Silva Tomazi disse...

Deus só pode mover pedras maiores do que ele, porque as menores, eu movo por ele.

Será que Deus, me deu de presente uma alavanca?
Não.
Deu-me de presente a costela de um homem. Eis a força!

Cristina Torrão disse...

Pois, eu também "nim".

E se Deus existe...

... existimos nós por causa dele? (Que nos fez à sua imagem e semelhança)
... ou existe ele por causa de nós?
... ou apesar de nós?

Maruxa disse...

Hoy el cuco estuvo cantando a la mañana, le rece a tu padre y a DIOS, tu lo podrás entender,
Te mando un afectuoso saludo.
Tía Maruxa.