quarta-feira, maio 4

Geniociclopédia II

«Se há coisa injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Penso que o ciclo da vida está de trás para a frente, invertido. Deveríamos morrer primeiro e livrarmo-nos logo desse problema. A seguir, viver num asilo, ser corrido para fora de lá a pontapé, por estarmos demasiado novos. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Depois de trabalhar 40 anos, rejuvenescer o bastante para aproveitar a reforma. De seguida divertirmo-nos ao máximo, bebermos muito álcool, fazermos muitas festas e prepararmo-nos para a faculdade. Entrar no liceu, termos várias namoradas, ficar crianças sem nenhuma responsabilidade, até ficarmos um bebé de colo. Voltar para útero da nossa mãe, passar os últimos nove meses de vida flutuando. E terminar tudo com um óptimo orgasmo! Não seria perfeito?»

Charlie Chaplin

3 comentários:

Marcos disse...

Há tempos vejo esse texto sendo atribuído a Chaplin, sem que contudo alguém aponte onde teria sido publicado pela primeira vez ou quando ele teria dito essas palavras. Quando li "O estranho caso de Benjamin Button" (recentemente adaptado para o cinema), uma nota do editor esclarecia que Fitzgerald tivera a ideia para o conto a partir de uma brincadeira de Mark Twain - ao que parece, a frase é “Life would be infinitely happier if we could only be born at the age of eighty and gradually approach eighteen”. Imagino que o texto atribuído a Chaplin seja mais um caso de falsa assinatura.

Pó dos Livros disse...

Um livreiro com um pouco de curiosidade lê tantas pequenas coisas, uma citação aqui, uma frase ali, um livro acolá, que às tantas perde a noção e já não sabe se aquilo que pensa é seu ou somatório de tudo o que leu. E, mesmo que pense que não é seu, já não faz ideia da fonte. Mas, também, quem é que sabe o que é de quem?

Jaime Bulhosa

Dribook disse...

O importante é difundir, propagar, disseminar! Importa a fonte em época de globalização?
Importa provocar, constatar, fazer pensar!!!