terça-feira, maio 10

Imbeciclopédia XXV

Estou num vazio tal de inspiração que não me ocorre, sequer, uma imbecilidade para escrever. Até para se ser mentecapto é necessário ter inspiração. Existem dois tipos de imbecis: os superficiais e os profundos. Eu prefiro os imbecis superficiais, são mais genuínos, terra-a-terra, dizem imbecilidades sem nenhum tipo de pretensão e normalmente têm graça. Os profundos são mais elaborados, complexos, pedantes adulterados pelo estudo e que recorrem normalmente à imbecilidade dos outros para elaborar teorias tolas, com duplo sentido. «O idiota é aquele que, quando se lhe conta uma história com um duplo sentido, não entende nenhum deles» e «não existe nenhuma espécie mais perigosa de estupidez que a de uma inteligência aguçada». No entanto, «devemos ser gratos aos idiotas. Sem eles, o resto de nós não seria bem-sucedido». Por isso, amigos, «percebam que no mundo existem muito mais tolos do que homens, e lembrem-se disso». «Porque, por mais imbecil que eu seja, sempre haverá um imbecil maior para achar que eu não o sou.»

Jaime Bulhosa

2 comentários:

sonia disse...

Hahahaha, adorei!!! De qualquer maneira sua inspiração deu as caras!

F.Mouro disse...

Pois, em latim dizia-se qualquer coisa como "fatuus fatum invenit".
(se calhar tem um erro no acusativo, mas sejamos eruditos imbecis :) :) :)