quarta-feira, maio 11

Sem título


- Bom dia, minha senhora. Tem livros de poemas?

- Tenho sim!?...

- E qual é o preço?

Nota: Este curto episódio até teria graça, se não fosse tão triste. Quem trabalha com o livro, por vezes esquece-se que a grande maioria da população portuguesa nunca entrou numa livraria; não sabe explicar a diferença entre uma biblioteca, uma livraria e uma papelaria e nunca leu um livro na vida. O "acesso" ao livro e à leitura continua a ser, ainda nos dias de hoje, apenas para uma elite.

Jaime Bulhosa

4 comentários:

Pedro disse...

Permita que discorde. O acesso à leitura de livros hoje está bem mais acessível do que há uns anitos. Bibliotecas Municipais são muitas e a venda de livros em segunda mão a preços reduzidos também se torna mais frequente. O acesso à leitura por uma elite, só o é na medida em que esse grupo de pessoas prefere comprar os livros, pois tem capacidade financeira para tal e sempre fica bem ter umas quantas estantes em casa cheia deles, porque de resto é bem abrangente esse acesso. É só querer ler e tudo se torna mais fácil. Por exemplo, eu, sempre que vou aos CTT, que é um lugar onde se vende livros(!), pego num que ando a ler aos poucos, enquanto estou à espera de vez. Hoje, para ler é só querer...

Pó dos Livros disse...

Pedro,
Permita que discorde. Não vou entrar em grandes considerações, mas infelizmente não basta colocar os livros nas mãos das pessoas. Vou usar um clichê que é mais ou menos assim: «Não lhe dês peixe, ensina-o a pescar.» ;)

Jaime Bulhosa

RosaLina disse...

Gosto muito vosso nome "Pó dos Livros" e do logótipo. Quanto ao comentário/observação, existem pessoas instruídas que também são "analfabetas" em muitas áreas. Estas precisam de colocar os livros no seu devido lugar e de aprender a brincar, duma maneira sadia, inclusive com as palavras; as que não são instruídas precisam de descobrir o prazer de ler. É assim a vida. Viva a diversidade (rosalina de sousa gomes dona da Empresa "pó de ser, Enc. Tera. Unipessoal, Lda").

Frederico Hartley disse...

ler sempre foi e sempre há-de ser para uma minoria. é utópico pensar que um dia ler Lobo Antunes ou Saramago será algo tão popular como o futebol ou as telenovelas.
de resto importa também questionar ler o quê? sim porque se for para ler livros de auto-ajuda ou da Danielle Steel o melhor será ficar quieto...