terça-feira, junho 7

Uma relíquia


Temos disponível um exemplar em segunda mão do livro Ulisses, de James Joyce, editado pelos Livros do Brasil, com notas e tradução de João Palma-Ferreira.

«A 16 de Junho de 1904, Leopold Bloom, um judeu irlandês, sai de casa para comprar os rins que a mulher adora comer ao pequeno-almoço, ir à Posta Restante buscar as cartas de amor da amante, cumprir as suas obrigações de angariador de publicidade e assistir ao enterro de um velho conhecido no cemitério.

O Sr. Bloom, como Ulisses através dos mares, vai ser arrastado através de Dublin numa odisseia trivial e aventureira. A ilha dos Lotófagos, a gruta de Polifemo e a caverna de Circe tomam aqui nomes de praças de Dublin, de bares e de bordéis irlandeses; Nausicaa, Penélope, Telémaco e os pretendentes são empregadas de bares, uma cantora, um jovem professor de História falador e boémio, um velho empresário corrupto ou ébrios eloquentes. Será apenas na madrugada seguinte, bem comido e melhor bebido, que Leopold Bloom regressará a casa — Ítaca, após ter sido expulso de um bar por um sujeito intratável, depois também de ter apanhado no bordel uma bebedeira memorável que termina num pandemónio fabuloso e repercorrido, titubeante, a história da vida de um pobre diabo judeu irlandês, enganado pela mulher e que corre atrás de qualquer saia que lhe passa perto.
Terá pelo caminho refeito todo o percurso da História, paródica e sublime, a história de tudo o que a Humanidade inventou para atravessar a terra: línguas, culturas, metafísicas, filosofias, teologias, erotismos, ritos, brincadeiras, preces, magias, sem esquecer o "whisky", o vinho tinto e os rins fritos em manteiga, sem esquecer também os prodígios da palavra humana, única alavanca de Arquimedes que poderia, sem ponto de apoio, levantar o mundo.
Considerada, unanimemente, uma das mais importantes e controversas criações literárias da literatura mundial, Ulisses criou formas inusitadas de expressão, inaugurou uma nova linguagem, inventou voz e estilo, e, por muito tempo, devido às suas transgressões literárias, permaneceu censurado.»

4 comentários:

Bri disse...

Boa tarde,
Qual será o preço dessa relíquia e, sendo eu do Porto, poderia enviar-ma por correio?
Obrigada.

Brigite Silva
(brigite_silva@hotmail.com)

Anônimo disse...

Tenho dois exemplares em segunda mão (em bom estado), de duas edições diferentes: 1. Livros do Brasil, igual a essa (mas a minha tem algumas páginas em branco... censura?); 2. Difel, tradução de Antônio Houaiss, creio que mais recente.

Ângela disse...

Como posso adquirir este livro? Obrigada.

Pó dos Livros disse...

Ângela,

Infelizmente já foi vendido.

Obrigado