segunda-feira, novembro 21

Imbeciclopédia XXVII


As dez pragas do Egipto:

  1 – O rio e toda a água do Egipto transformam-se em sangue.
  2 – O rio Nilo regurgita rãs, que invadem as residências dos egípcios.
  3 – O pó da terra transforma-se em mosquitos.
  4 – Moscas venenosas.
  5 – A peste aniquila todo o gado egípcio.
  6 – Uma epidemia de úlceras e tumores, espalhadas a partir de cinza de forno que Moisés, lança ao ar.
  7 – O granizo destrói toda a verdura dos campos e arruína as colheitas.
  8 – Uma praga de gafanhotos arrasa o que tinha escapado ao granizo.
  9 – Densas trevas cobrem o Egipto durante três dias.
10 – Páscoa judaica: Deus mata o filho primogénito de todos os egípcios.

Nota: Depois de todas estas atrocidades, perpetradas por Deus, ficamos realmente persuadidos de que: A religião conseguiu convencer efectivamente as pessoas de que existe um homem invisível que vive no céu e que vê tudo o que fazemos a cada minuto do dia. E o homem invisível tem uma lista especial de dez coisas que não quer que façamos. E se fizermos alguma dessas coisas, ele tem um lugar especial, repleto de fogo e calor e abrasamento e dor, para onde nos manda viver e sofrer e arder e sufocar e gritar e chorar para todo o sempre, até ao fim dos tempos... Mas ele ama-nos!

Um comentário:

Malu disse...

Oras, há uma explicação científica para as pragas no Egito:

Em 1400 a.C., um grupo de egípcios nervosos viu o Nilo ficar vermelho. O que eles achavam ser sangue, era na verdade uma infestação de algas, que matou os peixes...E antes disso eles viviam de ovos de sapos. Esses ovos não devorados criou um número recorde de filhotes de sapos que, conseqüentemente, chegaram à terra e morreram.
Os corpos dos sapos em decomposição, atraíram piolhos e moscas. Os piolhos traziam o vírus língua-azul, que matou 70% dos animais do Egito. As moscas traziam mormo, uma infecção bacteriana, que em humanos causa furúnculos. Após isso, uma tempestade de areia atingiu o vale do rio por três dias, conhecida como a praga da escuridão. Durante a tempestade de areia, calor intenso, combinado com uma frente fria criou não apenas granizo como tempestades, que poderia parecer para os egípcios antigos como fogo do céu. O vento subseqüente iria tirar a população etíope de gafanhotos do rumo, direto para o centro de Cairo. O granizo é úmido, e caindo sobre as reservas de grãos, você tem microtoxinas. Em tempos difíceis no Egito antigo, os primogênitos recebiam as maiores porções de comida e, nesse caso, ingeriram as maiores partes das toxinas e morreram.