terça-feira, novembro 8

Maldito Seja Dostoiévski




Um príncipe está de pé, despreocupado, com uma taça na mão. Atrás dele, em cima de uma cama, jaz um corpo apunhalado. Num canto da sala, dois músicos tocam alaúde e berimbau. No exterior, atrás da porta, dois soldados montam a guarda; um armado com uma grande espada e um escudo, outro com um reciário e uma lança gigantesca. Todos estão calmos, serenos, excepto uma mulher, escondida atrás de uma gelosia; tem uma expressão estranha, inquieta e, ao mesmo tempo, trocista. Ela é, sem dúvida, a única que conhece o mistério daquele crime e a ameaça que visa o príncipe. Quando criança, Rassul era atraído por esta antiga miniatura, experimentando, ao contemplá-la, um mal-estar indefinido, uma sensação esquisita. Em casa dos avós, punha-se diante deste quadro, inventava histórias nas quais se identificava sempre com o príncipe e atribuía uma voz à mulher que observava a cena, uma voz que sussurrava, ora com inquietação ora com ironia: «Mexe-te, Rassul, mexet-e!».

edição: teodolito
título: Maldito Seja Dostoiévski
autor: Atiq Rahimi
n.º pág.: 205
isbn: 9789899747456
pvp: 14.00€

Nenhum comentário: