terça-feira, agosto 25

Não penses...



Leio porque posso. Leio porque sou livreiro. Leio porque me dá prazer. Leio porque me enriquece. Leio porque a leitura me ajuda a passar os momentos de solidão. Mas leio sobretudo porque busco um sentido para a vida: O que é o bem? O que é o mal? Quantas coisas belas encontrei nos livros, a arte, a música, a amizade, o amor… No entanto, em tudo o que li, na ciência, na religião, na metafísica, na literatura, nunca encontrei uma resposta satisfatória para as perguntas: O que sou? Para que vivo eu? Como o devo fazer? O que é o mundo? Ou seja, «a causa primeira». Aliás, cada vez que as sumidades o tentam fazer, parece-me tão intricado, complexo, confuso, misturado, que as respostas se tornam absurdas. Dá-me a sensação de que todos falam ao mesmo tempo, muitas vezes, apoiando-se e louvando-se reciprocamente para que em ricochete, também os apoiem e os louvem; outras vezes irritando-se tentam gritar mais alto do que os outros – tal como num manicómio. Penso muitas vezes para mim: se não podes compreender o sentido da vida, então não penses, vive.
É, por vezes, nas coisas mais simples – digo simples, não básicas, não são necessariamente sinónimos – onde podemos descobrir as melhores explicações para a vida. Foi precisamente dentro de um livro, a Confissão, de Lev Tolstói, que encontrei uma pequena parábola – pequenas fábulas que tanto aprecio –, com milhares de anos, do tempo ainda dos rolos do Pentateuco, e que me parece exemplar para a explicação de como é a vida. Infelizmente, também ela não explica «o porquê da vida», e tenho a ligeira suspeita de que, em toda a sabedoria humana, não a vou encontrar:

Era uma vez um viajante apanhado na estepe por uma fera enfurecida. Tentando salvar-se da fera, o viajante saltou para um poço seco, mas viu no fundo um dragão que abriu as goelas para o devorar. O desgraçado não se atrevia a saltar para o fundo do poço para ser devorado pelo dragão; então, agarrou-se aos ramos de um arbusto bravo que crescia nas fissuras do poço e ficou suspenso. As suas mãos estavam a fraquejar e sentia que em breve tinha de entregar-se à morte que o esperava dos dois lados; mas continuava a agarrar-se e, enquanto teve forças para isso, olhou em volta e viu que dois ratos, um branco e outro preto, andavam em redor do tronco do seu arbusto, roendo-o de todos os lados. A qualquer momento o arbusto ia quebrar-se e o viajante cairia nas goelas do dragão. O viajante via-o e sabia que a sua morte era iminente, mas, enquanto ainda pendia dos ramos, procurou à sua volta, encontrou nas folhas do arbusto gotas de mel, chegou a elas com a língua e pôs-se a lambê-las.

Jaime Bulhosa

3 comentários:

bea disse...

Ora aí está uma boa lição: viver talvez ensine o sentido - ou o sem sentido - da vida. Porque a morte é certa. Garantida. Iminente. Mas enquanto não...vivemos. Que é como quem diz, saboreamos. Infelizmente, não apenas o mel.
Além do que, também carece de sentido termos vida única e não a vivermos (ou vivermos menos) preocupados em responder a questões difíceis, quiçá de impossível resposta, entretém de sábios e afins.
Vivamos pois o insondável da vida. E Boas Férias

Nota: intricado ou intrincado?!

Anônimo disse...

Nao relacionado com o post, mas com o blog em si: Finalmente um blog de literatura decente! Sem romancetes de vertente unicamente comercial e (desculpem as leitoras que não caiem na armadilha) aquela pestilencia de livros para mulheres pseudo-idependentes, mas que no fundo trocam o conhecimento por estorias sem fundamento iguais a tantas outras.

Resumindo o blog so peca por escassez. Parabéns!

Ana Paula Ribeiro disse...

Não compro livros em grandes superficies, mas compro na Fnac e na Bertrand, aqui no Funchal, temos muito poucas livrarias, muito poucas mesmo. Já tenho comprado diretamente à Relógio d'Água, através do seu site. E é só, no meu caso, normalmente sei o que procuro, não ando à pesca do que ler...