segunda-feira, janeiro 9

Anti-Top 2011


  

  1.º - O Retorno, Dulce Maria Cardoso, Tinta-da-china
  2.º - O Cemitério de Praga. Umberto Eco,  Gradiva
  3.º - Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares, Caminho
  4.º - O Pauzinho do Matrimónio, Anónimo, Tinta-da-china
  5.º - Lisboa a Pé e a Pedais, A.A.V.V., Lisbon Walker
  6.º - Um Político Assume-se, Mário Soares, Temas e Debates
  7.º - Abraço, José Luís Peixoto, Quetzal
  8.º - Indignai-vos!, Stéphane Hessel, Objectiva
  9.º - Clarabóia, José Saramago, Caminho
10.º - A Noite das Mulheres Cantoras, Lídia Jorge, Dom Quixote

Nota: Este é o Top Livro da Pó dos Livros referente ao ano de 2011. Reparámos que o livro mais vendido em Portugal, O Céu Existe Mesmo, editado pela Lua de Papel, não se encontra no nosso Top 10.

De acordo com os dados da GfK e da editora: «O Céu Existe Mesmo, de Todd Burpo e Lynn Vincent (edição Lua de Papel / Grupo Leya), foi o título mais vendido em Portugal no ano de 2011. Com 18 edições, para um total de 135 000 exemplares colocados no mercado, a obra de não ficção [não ficção!?... então é o quê, ensaio!?...] foi a mais vendida em termos absolutos, superando mesmo o mais vendido dos romances. Do mesmo livro houve ainda uma edição especial limitada de Natal (em capa dura), elevando para 140 000 exemplares o número de livros absorvidos pelos pontos de venda.»
Estranhamente, ou não, conclui-se daqui que os nossos clientes ou são diferentes dos outros ou são pouco crentes ou são desconfiados. Como é possível terem passado ao lado de um livro que, segundo palavras da própria editora, é «sobre a história real do menino que esteve no céu». Ouviram? Real! Verdade, verdadinha que Colton Burpo tinha quatro anos quando foi operado de urgência e, meses mais tarde, começou a falar daquelas breves horas em que esteve entre a vida e a morte, e da sua extraordinária visita ao céu (ups! visita ao céu!?...). Toda esta história começou numa viagem com a família, onde o pequeno Colton, sentado na sua cadeirinha no banco de trás do carro, começou a falar sobre anjos que o tinham visitado (ai, ai... visita de anjos!?...) durante a operação à apendicite aguda, enquanto os pais rezavam por ele. O pai, sacerdote, nem queria acreditar… Hum!… pai sacerdote!?...  Não queria acreditar!?... Já vendeu 5 milhões, só nos Estados Unidos! Bem… é melhor ficar por aqui.


Jaime Bulhosa 

9 comentários:

Carlos Barbosa disse...

Jaime, com esse tipo de comentário ainda arranjas maneira que depois tens que pagar para entrar... no céu. Ou será que já compraste para o inferno? Meteste uma cunha? Se bem me recordo andaste "às voltas" com o Dante há uns dias atrás... Se puderes dá-me o número do porteiro.

Pó dos Livros disse...

Carlos,

Porteiro? Queres tu dizer: O barqueiro. Já sei o nome dele e tudo: Caronte. Falta-me o telemóvel, depois digo-te. ;)
jaime

Arame Farpado disse...

É sempre um sinal divino quando um miúdo que visita o céu é filho de um sacerdote, não é?
Pois...

Fernando Frazão disse...

Não li e não gostei.

Anônimo disse...

Eu penso que não quero ir para o céu... Chego lá e não conheço ninguém! :)

Areia às Ondas disse...

Mas que grande falta de fé... ahahahhah... muito bem apanhado.

Anônimo disse...

Eu nem tenho a certeza que a terra exista, mas aposto que a ignorância existe mesmo. Benza-os o senhor, deles!

Carlos Costa disse...

Não acredito nos anónimos! E Repito. “ Eu nem tenho a certeza que a terra exista, mas aposto que a ignorância existe mesmo. Benza-os o senhor, deles!”
Carlos Costa

SEVE disse...

Ó Fernando Frazão essa tá muito boa-eu não li e não gostei, então não foi isso mesmo que eu senti quando não o li...