terça-feira, janeiro 24

Um livreiro carente


- Dê-me um abraço.
- Não seja por isso… chegue p’ra cá as costelas.
- Oh, homem! Você está doido!?... Eu quero o Abraço do José Luís Peixoto.
- Porquê, o meu não serve?

2 comentários:

fallorca disse...

Não te trates que não é preciso ;)

Malu disse...

Felicidade
Vinícius de Moraes
…”De repente me deu vontade de um abraço…
uma vontade de entrelaço, de proximidade…
de amizade, sei lá…
Talvez um aconchego que enfatize a vida
e amenize as dores…
Deu vontade de poder rever saudade
de um abraço.
Só sei que me deu vontade desse abraço…”