sexta-feira, março 9

Convite

Amanhã, Sábado, 10 de Março, às 16h00,  na Pó dos livros, António Carlos Cortez apresenta o  livro de poesia de Tiago Nené Relevo Móbil Num Coração de Tempo, editado pela Lua de Marfim. 




Ficam dois poemas, para abrir o apetite:


O BOM POETA
a António Ramos Rosa

o poeta inventa um leitor abstracto,
a sua extensão lível.
o poeta não consegue ler os seus poemas,
o bom poeta apenas escreve os seus poemas;
escrever poemas sem ler os poemas que se escreve
é perfeitamente possível
se o poeta estiver demasiado perto de cada palavra.
o grande poeta dorme dentro de cada palavra,
e eu não me conheço quando escrevo isto.
dentro de que palavra estarei?
que sílaba servirá de travesseiro aos meus sonhos?
creio que as primeiras palavras que escrevi
diziam que o poeta inventa um leitor abstracto,
não me lembro da versificação certa.
não importa.
apenas exponho permissões em cada sentimento,
e é isto o poema:
um grande sentimento amplificando
a inconfundível prosa de toda a vida.

*

JARDINS HAMARIKYU


nos jardins hamarikyu
onde o céu não é longe
saímos de barco trazendo beijos que
apanhámos no lago,
bem junto ao último poste de luz,
para lá do fim como antes o conhecíamos;
lá se escrevem poemas com mil anos
sem importar quem os vai ler,
e lá os nossos beijos, uma vez libertos,
brincam na relva atrapalhando-se uns aos outros,
como pessoas doentes de infância,

hoje passaram mil anos
e voltámos ao mesmo poema que
havíamos escrito nos jardins hamarikyu,
à procura de alguns beijos perdidos
no nosso oriente oculto;
alguns habitantes de tóquio olham-nos confusos,
lêem-nos nos olhos um intemporal esquisito e uma
omnipresença pecadora, um dia à luz de vela;
e agora revemos tudo com as mãos entrelaçadas,
agora apagamos a luz,
e entramos no mesmo sonho.

Tiago Nené
in Relevo Móbil Num Coração de Tempo
Lua de Marfim, 2012

Nenhum comentário: