segunda-feira, julho 2

Um livreiro é um homem



Um livreiro é um homem que quando descansa lê; quando trabalha lê; sobretudo catálogos, facturas, sinopses, títulos, autores, fichas técnicas, mas lê; quando passeia, detém-se diante das montras de outras livrarias e inveja os livros que os outros podem ler; quando vai a outra cidade, a outro país, visita outros livreiros, compra mais livros e lê; quando não está a ler fala sobre livros; quando fala sobre livros faz os outros lerem.

Morreu Jorge Figueira de Sousa (1931-2012). Tinha Oitenta anos e era livreiro madeirense (Livraria Esperança, Funchal). Provavelmente a maioria das pessoas nunca dele ouviu falar. No entanto, muitos são leitores por causa dele. Uma vida inteira dedicada à divulgação do livro e da leitura que nem sequer mereceu a distinção no dia 10 de Junho, como foi tentado numa «Carta Aberta de Gentes do Livro», dirigida ao primeiro-ministro, ao Presidente da República e a outras autoridades competentes. Era apenas um velho livreiro, eu sei, mas alguém dizia que quando um velho livreiro morre, com ele uma biblioteca inteira desaparece.

Jaime Bulhosa

3 comentários:

Anônimo disse...

«ERA APENAS...». APENAS, MAS MUITOS «SEM-APENAS» MUITO LHE FICARAM A DEVER E AO QUE SE PREVÊ MUITOS AINDA
BENEFICIARÃO DO SEU LEGADO...
POR FAVOR, COMENTEM ESTE POST.
M.MEDEIROS

tukakubana disse...

No dia 24 de Junho último, em artigo de opinião no Diário de Notícias da Madeira e sob o título "As homenagens", critiquei a postura de um Governo amorfo, inculto, agarrado a politiquices de algibeira. Não era por ser meu compadre o sr. Jorge, não. Conhecia-o desde 1972, sei do seu empenho e trabalho, do seu esforço e amor à obra que, com sua esposa, encetou e levou ao engrandecimento da cidade do Funchal.Esses ignorantes, morrem estúpidos.Os que privámos com Figueira de Sousa, pelo menos, aprendemos algo mais.
Maria Teresa S. T. Góis

Joaquim Moedas Duarte disse...

Admiro os livreiros, homens que vivem não do comércio dos livros mas sim do amor pelos livros. Estranha paixão esta...

A minha modesta e sentida homenagem a um livreiro que morreu no seu posto:

http://lugaronde.blogspot.pt/2012/07/morreu-o-homem-dos-livros.html