terça-feira, outubro 30

Os dois consolados



Dizia um dia o grande filósofo Citófilo a uma mulher desesperada e com grandes motivos para o estar: «Minha senhora, a rainha de Inglaterra, filha do grande Henrique IV, foi tão infeliz como vós: expulsaram-na dos seus reinos; por pouco não parecia numa tempestade em pleno oceano; viu morrer o seu real esposo no cadafalso – tenho muito pena dela, disse a dama», e continuou a chorar os seus próprios infortúnios.
«Mas, disse Citófilo, lembrai-vos de Maria Stuart: amava muito honestamente um jovem músico que possuía uma belíssima voz de barítono. O marido matou o músico na presença dela; e mais tarde a sua boa amiga e parente; a rainha Isabel, que se dizia virgem, ordenou que lhe cortassem a cabeça num cadafalso coberto de panos negros, depois de a ter enclausurado numa masmorra durante dezoito anos. – Isso é tudo muito triste, respondeu a dama», e voltou a cair na sua profunda melancolia.
«Tenho de vos contar, continuou o outro, a aventura de uma soberana que no meu tempo foi destronada depois da ceia, e que morreu numa ilha deserta. – Conheço toda essa história», disse a dama.
«Então vou contar-vos o que aconteceu a uma outra grande princesa a quem revelei a filosofia. Ela tinha um amante, como todas as grandes e belas princesas. O pai entrou no quarto e surpreendeu o amante com o rosto em fogo e os olhos brilhantes como carbúnculos; a dama também parecia muito animada. A expressão do jovem caiu de tal maneira no desagrado do pai que este lhe deu a maior bofetada de que há memória na região. O amante agarrou numas tenazes e partiu a cabeça ao sogro, que a custo se corou e que ainda hoje tem a cicatriz dessa ferida. A amante, desorientada, saltou pela janela e torceu um pé; agora coxeia um pouco, embora tenha uma figura admirável. O amante foi condenado à morte por ter partido a cabeça a um tão ilustre príncipe. Podeis imaginar o estado em que se encontrava a princesa quando enforcaram o amante. Vi-a durante muito tempo quando ela estava na prisão; só me falava das suas desgraças. – por que não quereis então que eu pense nas minhas? Perguntou-lhe a dama. – É porque não se deve pensar nisso, disse o filósofo, e porque vos fica mal desesperar quando tantas damas ilustres foram tão infelizes. Pensai em Hécuba, pensai em Niobe. – Ah, disse a dama, se eu tivesse vivido no tempo delas, ou no das belas princesas, e se lhe tivésseis contado os meus infortúnios, pensais que elas vos teriam escutado?»
No dia seguinte o filósofo perdeu o seu único filho e quase morreu de dor. A dama mandou fazer uma lista de todos os reis que tinham perdido os seus filhos e levou-a ao filósofo; este leu-a, achou-a muito certa mas não chorou menos por causa disso. Passados três meses voltaram a ver-se e ficaram espantados por se encontrarem com tão boa disposição. Mandaram erigir uma estátua ao Tempo com a seguinte inscrição: «àquele que consola.»

Voltaire

quarta-feira, outubro 24

Feira do livro do desenvolvimento


(clique na imagem)

Entre 19 e 26 de Outubro, a Pó dos livros vai estar no CIDAC, com uma mostra de livros sobre o desenvolvimento. Visite-nos.

terça-feira, outubro 23

Hoje na Pó dos livros

Hoje, 24 de Outubro, às 18h30:  lançamento do livro de Daniel Bastos Por dentro de uma Jota - Uma experiência de intervenção cívica e política em Fafe, edição Labirinto. Apresentação por Pedro Delgado Alves.

(clique na imagem)