sexta-feira, janeiro 31

Vanity Press



Todos nós sabemos que a Internet, para além das muitas vantagens, traz consigo algumas desvantagens, como a de potenciar crimes e burlas. Na Internet o que não falta são blogues (páginas e Facebook), dos mais diversos assuntos e gostos, mas todos com uma coisa em comum: são escritos por pessoas, as quais podem ser enganadas. Existe um grande número de blogues pessoais que traduzem sobretudo o gosto pela escrita, desde a poesia, os aforismos, pensamentos, contos, etc. A maior parte dos autores dos blogues nesta área terá no seu íntimo, nem que seja secretamente, o desejo de um dia vir a ser escritor, editado e reconhecido. Independentemente de se ter noção da qualidade daquilo que se escreve, quem é que resiste à tentação de responder a um e-mail que elogia a nossa escrita e nos pergunta: «Por acaso nunca pensou em editar em livro os seus magníficos textos?», ou «Quer editar o seu livro?», «Quer editar os seus poemas?», «Quer editar os seus contos ou romance?»
O que aqui denuncio não sei se pode ser considerado crime, mas é no mínimo desonesto. Não posso revelar os nomes das pseudo-editoras, porque apenas disponho do testemunho de pessoas que vêm à livraria perguntar pelo seu livro. A resposta é invariavelmente a mesma: nunca recebemos esse livro nem sequer temos conhecimento da sua existência. Desiludidas por raramente encontrarem o seu livro numa livraria, estas pessoas acabam por desabafar e contar-nos como se sentem enganadas. O truque consiste no seguinte: as pseudo-editoras, aproveitando-se do desejo, natural, de quem gosta de escrever e tem um blogue ou uma página de Facebbok, envia um e-mail elogiando a escrita do autor e propondo-se a ajudá-lo a editar os seus «esplêndidos» textos. Em troca, com o argumento de que ele ainda é um ilustre desconhecido, pedem-lhe uma comparticipação nos custos da edição e distribuição. Os valores em causa não são grandes, na ordem dos 200 ou 250 euros. Se tiver em conta que poderá ver, no futuro, o seu livro editado e distribuído por todo o país, estes valores parecem ainda mais insignificantes. Não resistindo ao apelo, muito boa gente entra no negócio e só mais tarde se apercebe de que pagou esse valor por 20 exemplares, a que necessariamente tem direito como autor. Compra-se um serviço que oferece livros impressos digitalmente, com miseráveis revisões, péssimo papel e capas horrorosas que valem bastante menos do que o dinheiro que o autor adianta. Para além disto, o contrato que estas pessoas assinam não lhes concede direitos de autor, a não ser que exista no futuro uma segunda edição, coisa que nunca sucede, pois é raro as livrarias receberem sequer estes livros. Não sabemos se de facto se editam mais exemplares e se é feita uma posterior distribuição da mesma pelo mercado. Os seus autores não têm nenhum tipo de controlo neste tipo de edição, na maior parte das vezes feito totalmente por e-mail, não havendo nunca um contacto directo e presencial com os pseudo-editores. Fica aqui o alerta.

Jaime Bulhosa

Nota: este texto foi escrito em 2009, mas está mais actual que nunca.

quinta-feira, janeiro 30

Eu mal lhe toquei!


Cliente: Boa tarde. Gostaria de devolver este livro.
Livreiro: E qual é o problema do livro?
Cliente: Está completamente estragado. Eu mal lhe toquei. Isto é ridículo, absurdo!
Livreiro: E o que quer dizer com isso?
Cliente: Quero dizer… bem, a única coisa que fiz foi deixá-lo cair na banheira, por acidente. E sabe, quero dizer… veja só isto: está completamente ilegível!

terça-feira, janeiro 28

No próximo sábado, na Pó dos livros

(clique para ampliar)

No próximo sábado, 1 de Fevereiro, às 16h00, na Pó dos livros, lançamento da antologia poética NAU-SOMBRA: Os Orientes da Poesia Portuguesa do Séc. XX, organização de Catarina Nunes de Almeida e Duarte Drumond Braga, edição Vega. A apresentação estará a cargo do Prof. Gustavo Rubim.

quarta-feira, janeiro 15

Livros para todos os gostos


- Estou à procura de uma prenda para oferecer a uma amiga que faz anos.
- Óptimo, eu posso ajudar a escolher se pretender?
- Obrigado. Mas espere!... Por acaso não têm bolos de aniversário em forma de livro? Ela ia adorar!
- Quer dizer, bolos propriamente ditos... não!
- Ah! Ok. Então o que é que vocês fazem?
- Bem... fazemos livros com forma e sabor de livros.
- Ah, Ok. Isso deve funcionar também.

terça-feira, janeiro 14

Hoje na Pó dos livros

Hoje, terça-feira, 14 de Janeiro, às 18h30, realiza-se na Pó dos livros o lançamento do livro de Luciano Reis, LUÍS PEDRO FONSECA SEMPRE QUE O AMOR ME QUISER, edição Fonte da Palavra. José Fanha e Carlos Avilez farão a apresentação do livro.


(clique para ampliar)