quinta-feira, janeiro 19

Escritores há muitos


Tenho por hábito espreitar no facebook textos de pessoas que gostam de escrever, contos, pensamentos, etc. Leio algumas frases só para ver se me convencem. A maior parte das vezes, infelizmente ou felizmente, choro de rir com algumas frases escritas e tomo nota. Já vão perceber porquê. Eis alguns exemplos:



«Voltou da guerra com uma perna que tinha perdido.»

 «O velho camponês era cego: mas, apesar disso, compreendia perfeitamente o português.»

«Desceu quatro a quatro os três degraus da escada.»

«Os futuros esposos ficaram fixados durante quinze dias à porta da repartição do Registo Civil.»

«Sob o véu, a noiva tinha um ar quase virgem.»

«A minha prima Sofia é muito gentil, desde que lhe façam todas as vontadinhas.»

«Ernesto é canhoto. Sem dúvida Ernesto serve-se das xícaras com as asas do lado esquerdo, inventadas por Afonso Allais para canhotos.»

«Um peixe gemia na extremidade da linha.»

«Minha avó vive sozinha no campo. Possui uma galinha e um cão. Em cima dum banco cacareja todo o dia.»

«O peixe voador, encharcado em água, caiu no barco com ruído seco.»


«Após a morte, os cadáveres podem ser enterrados ou incinerados. Aqueles que não gostarem disso podem ser imortalizados.»

Jaime Bulhosa

2 comentários:

Su disse...

Quero acreditar que a última frase era sarcástica, mas tenho de admitir que adorei a avó que cacareja ;D
Por momentos, pensei que ia comentar aqueles textos "pseudo-poéticos" cheios de palavras "bonitinhas" e significado tão codificado que parecem inteligentes...

Bom resto de semana!

leandro ribeiro disse...

Que maravilha de recolha! Invejo algumas dessas frases!